Dólar encerra o dia em alta e Bolsa recua

A situação argentina é cada vez mais crítica e a falta de confiança dos investidores é crescente. Mas, já há alguns dias os mercados no Brasil e na Argentina operam descolados. Hoje, o dólar voltou a subir no Brasil e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registrou queda. Segundo os analistas, este resultado não revela uma mudança de humor dos investidores que se mostram mais otimistas com as perspectivas para a economia brasileira. O resultado foi atribuído a uma realização de lucros, o que, no caso da Bolsa, significa venda de ações para apurar o ganho obtido nos últimos dias. Hoje a taxa de risco da Argentina bateu um novo recorde e, às 18h19, estava em 3.095 pontos-base. As reservas internacionais líquidas do país voltaram a cair e, no dia 16, somavam US$ 18,87 bilhões. No dia anterior estavam em US$ 19,13 bilhões. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires também refletiu a piora da situação argentina e fechou em queda de 6,46%. A taxa de juros diária em dólar passou de 30% para 35% ao ano e, em pesos, de 45% para 55% ao ano.Durante a tarde, segundo apurou a correspondente Marina Guimarães, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia da Argentina, Frederico Sturzenegger, renunciou ao cargo. Ele disse que sua saída do governo se deve ao desejo de retomar a carreira acadêmica. Outro pedido de renúncia foi apresentado pelo secretário de Modernização do Estado, Marcos Makón, um dos poucos representantes da Frepaso (Frente País Solidário, ala esquerda da coalizão de sustentação do presidente Fernando De la Rúa).Analistas acreditam que, apesar do agravamento do quadro argentino, os mercados já embutiram a atual situação no preço dos ativos. Eles alertam que a crise no país vizinho é resultado, principalmente, da política cambial do país, que estabelece a paridade entre o peso e o dólar. Isso porque esta paridade não é compatível com a produtividade argentina, ou seja, o país vizinho não tem custos suficientemente baixos para tornar a produção competitiva ao nível de câmbio atual.Começou hoje reunião do CopomO Comitê de Política Monetária (Copom) começou hoje sua reunião mensal para reavaliar a Selic, a taxa básica de juros da economia, atualmente em 19% ao ano. O resultado será divulgado amanhã, apos o fechamento dos mercados. A maioria dos analistas acredita que, devido à alta dos índices de inflação e às incertezas que podem voltar a pressionar as cotações do dólar, o Comitê deve decidir pela manutenção da taxa (veja mais informações no link abaixo). Veja os números do fechamentoO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,5550, com alta de 1,39%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 20,370% ao ano, frente a 19,980% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 2,69%.Nos Estados Unidos, às 18h40, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - estava em queda de 0,70%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registrava queda de 2,72%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.