Reuters
Reuters

Dólar encosta em R$ 3,50 e banco já prevê moeda a R$ 4,00 em 2016

Piora da percepção de risco na política e na economia levou o dólar a subir 0,84% nesta quarta, para R$ 3,489, na 5ª alta seguida; Credit Suisse, Itaú e Santander reveem projeções, levando em conta a dificuldade de o governo aprovar o ajuste fiscal

Francisco Carlos de Assis, Luiz Guilherme Gerbelli, O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2015 | 21h47

A subida do dólar nos últimos dias tem levado os bancos a revisar a projeção para o câmbio ao fim deste ano. Nesta quarta-feira, a moeda americana subiu 0,84%, para R$ 3,489, e encerrou a sessão na maior cotação desde 10 de março de 2003. Foi a quinta sessão consecutiva de alta. 

A mudança recente de patamar do dólar está relacionada com a piora de percepção de risco tanto na economia como na política. O mercado desconfia da capacidade do governo de aprovar as medidas de ajuste fiscal necessárias no Congresso. O quadro se agrava porque, na semana passada, a agência de classificação de risco Standard and Poor’s (S&P) alterou a perspectiva do rating brasileiro BBB-, de estável para negativa. Com a decisão, a economia brasileira ficou mais próxima de perder o grau de investimento.

Nesta quarta-feira, o departamento econômico do Credit Suisse, chefiado pelo economista Nilson Teixeira, elevou a projeção para o câmbio de R$ 3,40 por dólar em 2015 para R$ 3,60. Para 2016, o banco revisou para cima o valor do dólar de R$ 3,60 para R$ 4,00. As revisões foram publicadas em relatório enviado para clientes do banco a que o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, teve acesso.

Além da deterioração do cenário interno, o banco destacou que os fatores que influenciaram a depreciação da moeda americana foram o movimento de apreciação do dólar ante a maior parte das moedas, a redução do preço das commodities no mercado internacional, e a reversão da posição de swaps cambiais (operações que funcionam como venda de dólares) pelo Banco Central.

O Banco Itaú também está revisando a cotação esperada ara o dólar no fim deste ano. Antes do início do processo de revisão, o banco trabalhava com a projeção de um dólar a R$ 3,20. 

Ajuste mais rápido. O Santander projeta o dólar em R$ 3,20. Para 2016, a projeção é de R$ 3,60. Na avaliação do economista-chefe do banco, Mauricio Molan, esses valores, porém, podem mudar. A tensão no mercado de câmbio, diz, já demonstra que os investidores estão descrentes de um possível acordo da base aliada do governo para que as medidas de ajuste fiscal avancem. “A instabilidade política tem levado a um ajuste mais rápido do que se imaginava”, diz Molan. “A gente achava que o câmbio ia terminar este ano em R$ 3,20, mas, dada essa percepção de que sem apoio político do Congresso vai ser difícil avançar de forma mais substancial no ajuste fiscal, esse equilíbrio pode ser atingido mais cedo”, afirma.

O Bradesco não alterou a previsão para o câmbio. O banco mantém a expectativa de que o dólar encerre o ano em R$ 3,30. “Trata-se de volatilidade normal decorrente de fatores políticos, por definição temporários. O câmbio deve voltar um pouco”, afirma Octavio de Barros, economista-chefe do Bradesco.

Risco em alta. Outra sinalização de piora de percepção do mercado com a economia brasileira pode ser medida pelo comportamento do Credit Default Swaps (CDS) - um papel que funciona como um seguro contra o calote de uma dívida.

O CDS de cinco anos já está acima de 300 pontos, o que é compatível com países que não possuem grau de investimento. 

Recentemente, o CDS do Brasil chegou nesse patamar entre março e abril, quando houve uma forte onda de pessimismo com a economia brasileira. 

Países com ratings piores do que o Brasil na classificação da S&P têm um prêmio de risco próximo de 200 pontos. “O mercado já embute uma deterioração fiscal do País. Se a gente acreditar que existe algum espaço para melhora, que é possível retomar um controle da base aliada, existiria uma possibilidade de apreciação substancial da moeda, mas o mercado precifica uma baixa probabilidade de que isso aconteça”, afirma Molan.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarmercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.