Dólar fecha a quase R$3 em dia nervoso

As turbulências no mercado financeiro continuaram hoje, e o dólar voltou a disparar, ultrapassando a marca dos R$ 3,00. A quinta-feira foi de muito nervosismo e oscilações extremas no mundo inteiro, repetindo os resultados dos últimos dias. As especulações sobre os resultados da última pesquisa de intenção de votos do Ibope ajudaram a manter os investidores pessimistas.Segundo as especulações que rondaram o mercado, o candidato favorito dos investidores, José Serra (PSDB/PMDB) voltou a cair, enquanto Ciro Gomes, da Frente Trabalhista, passou à frente de de Luis Inácio Lula da Silva (PT), e acima da margem de erro da pesquisa. Também no segundo turno, de acordo com os rumores, Ciro levaria larga vantagem sobre o candidato petista. Se esses resultados se confirmarem, dificultam ainda mais a recuperação de Serra, o que incomoda o mercado, aumentando as chances de um segundo turno entre dois candidatos com propostas consideradas mais preocupantes.Além dos boatos, as bolsas em Nova York seguiram oscilando com força, puxando os demais mercados mundiais. Hoje surgiram novas notícias relacionadas às fraudes contábeis, incluindo as investigações da AOL Time Warner, JP Morgan e Citigroup. Até o dia 14 de agosto, quando presidentes de 945 empresas norte-americanas deverão confirmar os balanços atuais e passados, sob pena de sanção pessoal, espera-se a divulgação de novos escândalos e prejuízos surpreendentes.MercadosO dólar comercial foi vendido a R$ 2,9950 nos últimos negócios do dia, em alta de 1,66% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 2,9600 e R$ 3,0300. Com o resultado dessa sexta-feira, o dólar acumula uma alta de 29,32% no ano e 6,21 % em julho.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 22,300% ao ano, estáveis em relação a ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 27,300% ao ano, frente a 27,200% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 2,74% em 9.665 pontos e volume de negócios alto, de R$ 605 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 28,81% em 2002 e 13,23% em julho. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, 7 apresentaram altas. A maior entre muitas quedas fortes foi AES Tietê PN (preferenciais, sem direito a voto), com desvalorização de 15,38%. Mercados internacionais Em Nova York, as oscilações extremas dos últimos dias repetiram-se. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,06% (a 8186,3 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York -caiu 3,89% (a 1240,08 pontos). Às 18h, o euro era negociado a US$ 1,0054; uma alta de 1,06%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,71% (361,62 pontos). O dólar oficial para venda fechou em $ 3,60 pesos.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.