Dólar fecha em alta de 0,31%, cotado a R$ 2,563

Incertezas sobre a política econômica e feriado nos EUA contribuíram para o avanço da moeda

Clarissa Mangueira, O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2014 | 17h11

O dólar terminou a sessão em alta ante o real, ajudado pelas incertezas com o futuro da política econômica, que ganharam força após a notícia divulgada pela manhã de que o governo enviou ao Congresso Nacional um projeto que pode retirar o limite para abatimentos no resultado fiscal. O baixo giro de negócios, devido ao feriado nos EUA, que manteve os mercados de Treasuries fechados, também contribuiu para o avanço da moeda. O dólar à vista terminou cotado a R$ 2,5630 (+0,31%).

O projeto do governo prevê alterações na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Se aprovado, ele dará grande flexibilidade na administração da meta de superávit primário das contas do setor público, uma vez que acaba com o limite fixo de R$ 67 bilhões para o abatimento das desonerações tributárias e os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), ou dá a chance de o governo abater da meta todo o volume de investimentos do PAC e de desonerações que for feito até o final do ano. 

O Ministério do Planejamento, no entanto, afirmou, por meio de nota, que apesar da mudança, o governo está comprometido a realizar o máximo de superávit primário e, ao mesmo tempo, garantir a execução de investimentos prioritários. 

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), escolhido para ser o relator da proposta, afirmou nesta tarde que não vai mudar o projeto e que, para acelerar sua tramitação, apresentará o texto nesta quarta-feira  na Comissão Mista de Orçamento (CMO).

A moeda americana retomou a trajetória de alta em relação ao real hoje e tocou em uma máxima à vista, de R$ 2,570, no fim da manhã, o maior nível intraday desde abril de 2005. O avanço do dólar foi impulsionado pelas incertezas sobre a economia. No entanto, a presença de exportadores no mercado, na primeira parte da sessão, limitou a valorização do dólar. No exterior, o dólar teve um desempenho misto ante outras divisas, em meio à falta de notícias catalisadores e ao baixo volume de negócios com o feriado do Dia do Veterano nos EUA.

O único indicador anunciado nos EUA foi o que mede o otimismo das pequenas empresas no país. Segundo a Federação Nacional de Empresas Independentes (NFIB, na sigla em inglês), o indicador subiu para 96,1 em outubro, de 95,3 em setembro. 

No mercado de câmbio no balcão, o dólar à vista fechou cotado a R$ 2,5630 (-0,31%). O volume de negócios totalizou US$ 638 milhões. No mercado de câmbio futuro, o dólar para dezembro subia 0,43%, a R$ 2,5770, por volta das 16h30.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.