Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Dólar fecha em alta pela sexta sessão consecutiva

Especulações sobre próximas pesquisas eleitorais e resultado da balança comercial da semana influenciaram cotação da moeda

Fabrício de Castro, Agência Estado

15 de setembro de 2014 | 17h09

O dólar emplacou a sexta sessão consecutiva de ganhos ante o real nesta segunda-feira, 15, embora a moeda pouco tenha se distanciado do nível visto na fim da sexta-feira, quando fechou em alta de 2%

As especulações em torno das próximas pesquisas eleitorais completaram o quadro cambial, com o dólar chegando a se aproximar da estabilidade pouco antes de fechar em leve alta de 0,17% no balcão, cotado aos R$ 2,34, no maior valor desde 19 de março deste ano. 

Nas últimas seis sessões, a moeda à vista acumulou alta de 4,41%.

Após ameaçar uma realização de lucros durante a manhã, com investidores embolsando parte dos ganhos mais recentes, o dólar voltou para o território positivo, sendo que no exterior a moeda americana também sustentava ganhos ante o euro e várias outras divisas ligadas a commodities.

À tarde, porém, o dólar perdeu fôlego no Brasil. O movimento ocorreu após a divulgação dos dados da balança comercial semanal brasileira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). De acordo com o ministério, o País teve superávit comercial de US$ 57 milhões na segunda semana de setembro, o que jogou o resultado acumulado do mês para um déficit de US$ 714 milhões.

A expectativa que antecede a divulgação de novas pesquisas eleitorais permeava os negócios. Na noite de hoje deve sair novo levantamento do Vox Populi e, amanhã à noite, nova pesquisa Ibope. Já o novo levantamento do Datafolha pode sair a partir de quinta-feira.

No exterior, os dados divulgados na China não agradaram. A produção industrial do país subiu 6,9% em agosto ante igual mês do ano passado, mas o desempenho foi o pior desde dezembro de 2008 e ficou abaixo da previsão dos analistas, que era de ganho de 8,7%. Outros números chineses, de vendas no varejo e de investimentos em ativos fixos não rurais, também decepcionaram.

Assim, perto das 16h30, o dólar americano subia 0,15% ante o australiano, avançava 0,28% ante a lira turca, subia 0,95% ante a rupia indiana, avançava 1,64% ante o rublo russo e tinha alta de 0,03% ante o peso mexicano. Na contramão, caía 0,34% ante o dólar canadense e tinha baixa de 0,28% ante o rand sul-africano. O dólar também subia ante o euro, com a moeda comum sendo cotada a US$ 1,29361, ante US$ 1,2953 de sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.