Dólar fecha em baixa, a R$ 3,56

O dólar comercial fechou em baixa pelo segundo dia, de 0,61%, cotado a R$ 3,56 na venda. Entre as notícias que estimularam vendas de moeda no dia, os operadores destacaram as captações de US$ 150 milhões do ABN Amro e de US$ 85 milhões da CSN, o novo avanço dos C-Bonds, o superávit primário do setor público em janeiro de R$ 8,463 bilhões ou 7,01% do PIB, a alta das bolsas em Nova York, a venda pelo BC de mais US$ 92 milhões em linha externa aos investidores e a movimentação dos "vendidos" em contratos futuros visando a formação de uma ptax (taxa média) mais baixa.O prazo dado por inspetores da ONU ao Iraque até sábado para se posicionar sobre a destruição de seus mísseis Al-Samoud-2 e o rebaixamento do alerta de terrorismo nos Estados Unidos de laranja para amarelo também trouxeram alívio momentâneo.O superávit primário do setor público consolidado em janeiro, de 7,01% do PIB, foi a excelente notícia desta quinta-feira. O refluxo dos preços do petróleo também colaborou para um esboço de reação do mercado acionário. Mas a proximidade do feriado do Carnaval impediu um movimento maior de compras. O Ibovespa fechou em alta de 1,55%, com volume financeiro de R$ 437 milhões (dados preliminares).Os DIs futuros descolaram hoje do resto do mercado e interromperam o movimento de queda verificado nos últimos dois dias. Em alguns prazos, as taxas fecharam "de lado" e, em outros, avançaram um pouco, reagindo, principalmente, à forte alta do preço do petróleo ocorrida ao longo do dia. Na BM&F, os DIs encerraram o pregão com as seguintes taxas: DI de julho, 27,75% (ante 27,67% de ontem); DI de abril, 26,76% (26,75%); e DI de janeiro/2004, 28,90% (28,82%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.