Dólar fecha em baixa após quatro dias de ganhos

O dólar encerrou em baixa nesta terça-feira, 13, depois de quatro dias de avanço, refletindo uma atuação mais branda que o esperado do Banco Central e o movimento da moeda no mercado externo. A divisa norte-americana terminou a sessão vendida a R$ 2,109, com declínio de 0,24%. O dólar também recuava frente ao euro e o iene. O BC fez leilão de compra de dólares à tarde e aceitou por volta de cinco propostas, segundo relato de operadores, com corte a R$ 2,1092. No leilão de swap cambial reverso, a autoridade monetária se concentrou em rolar o vencimento de 1º de março, vendendo o equivalente a US$ 452,1 milhões. Nas últimas quatro sessões, as compras mais fortes de dólar do Banco Central fizeram a moeda norte-americana acumular alta de 1,4%, depois de ter atingido mínima em nove meses na semana passada, abaixo de R$ 2,10. Alguns operadores cogitaram que o BC pudesse aproveitar o leilão de swap para oferecer mais contratos e dar uma sustentação maior para o dólar. "Agora no final o BC entrou e comprou um pouco abaixo do que o mercado estava na hora, então o dólar caiu um pouco, e também parece que ele aceitou poucas propostas", explicou Mário Battistel, diretor de câmbio da corretora Novação. Para Sidnei Moura Nehme, diretor executivo da corretora de câmbio NGO, já era esperado que as tesourarias derrubassem o valor do dólar por conta do leilão de swap reverso. Nessa operação, o mercado ganha quando a variação do juro é maior que a do câmbio no período de vigência do contrato. "(Os agentes do mercado) devem mudar de atitude e deixar o preço do dólar cair, já que não lhes convém que esteja artificializado quando ocorrem estes eventos, pois poderia representar perda futura", explicou o diretor, em relatório. Ele destacou ainda que o próprio mercado aproveita as compras de moeda no mercado à vista pelo BC para ampliar as posições vendidas em dólar e garantir "inesperado e oportuno adicional ganho cambial". "Em realidade não há, por parte dos integrantes e agentes do mercado de câmbio, convicção diferente de que a tendência do preço da moeda americana é de depreciação", disse Nehme. De acordo com Battistel, da Novação, o declínio do dólar frente a outras moedas também influenciou o movimento no mercado doméstico. A moeda norte-americana perdeu terreno frente ao euro depois que dados sólidos de crescimento da zona do euro ampliaram as chances de uma elevação no juro pelo Banco Central Europeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.