Dólar fecha em baixa de 1,4%, maior queda desde início do mês

Entrada de recursos no Brasil e movimentos do cenário externo influenciaram o pregão desta quarta-feira

Silvio Cascione, da Reuters,

23 de dezembro de 2009 | 16h54

O dólar teve a maior queda desde o início do mês nesta quarta-feira, refletindo a entrada de recursos em uma sessão de pouca liquidez e a baixa global da moeda norte-americana.

 

O dólar fechou a R$ 1,757, com queda de 1,4%. Foi a maior baixa desde 2 de dezembro. A divisa agora está praticamente estável no mês, com variação positiva de 0,06%. No ano, a queda é de 24,7%.

 

De acordo com operadores de duas corretoras e um banco, que preferiram não ser identificados, o fluxo positivo alimentou a queda do dólar, principalmente durante a tarde. O impacto foi maior porque o mercado trabalhava com liquidez reduzida devido à proximidade com o Natal.

 

Mais cedo, o Banco Central havia divulgado que o fluxo positivo em dezembro atingiu 1,565 bilhão de dólares até o dia 18. No ano, as entradas acumulam US$ 28,311 bilhões.

 

Por volta das 16h30, o volume registrado na clearing (câmara de compensação) de câmbio da BM&FBovespa era de apenas US$ 1,4 bilhão em operações com liquidação em dois dias úteis, ou seja, 28 de dezembro. A clearing registra boa parte dos negócios no mercado à vista de dólar.

 

A baixa do dólar também foi direcionada pelo comportamento do mercado global de moedas. Em relação a uma cesta com as principais divisas, a moeda norte-americana caía 0,5% no final da tarde, também com pouco volume.

 

A desvalorização do dólar no exterior era uma reação ao declínio de 11,6% nas vendas de novas moradias nos Estados Unidos em novembro, que contrariou as previsões de alta da maior parte do mercado.

 

Na próxima sessão, véspera de Natal, o mercado interbancário ficará aberto para registro de operações no Banco Central somente até 12h. O mercado futuro, referência na formação do preço do dólar à vista, estará fechado.

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.