seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Dólar fecha no patamar mais alto e Bolsa recua

O nervosismo voltou a dominar o comportamento dos mercados nessa terça-feira. Logo no início do dia, segundo analistas, havia um forte movimento de venda dos títulos da dívida brasileira no exterior. "São investidores reduzindo a exposição de sua carteira em papéis brasileiros. O motivo principal é o cenário político e suas incertezas", explicou um diretor da área de fundos de um banco.Todos os mercados no Brasil reagiram de forma negativa. No encerramento das operações, o humor dos investidores era ainda pior, devido aos boatos sobre um possível rebaixamento do rating soberano do Brasil - trata-se de uma classificação elaborada por agências internacionais que avaliam o risco-país, com base na confiança dos investidores na capacidade de pagamento das dívidas desse país.Às 17h, os C-Bonds - principais títulos da dívida brasileira - eram cotados a 67,000 centavos por dólar. Ontem estavam em 70,188 centavos por dólar. A queda foi de 4,54%. A taxa de risco-país reflete a desvalorização dos títulos brasileiros no exterior. Às 17h07, havia subido para 1.232 pontos base, frente a 1.149 pontos base verificados ontem no final do dia. No mercado cambial, o dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 2,7120 na ponta de venda dos negócios, em alta de 2,88% em relação aos últimos negócios de ontem. Esse é o patamar mais elevado desde 30 de outubro, quando a moeda norte-americana foi vendida a R$ 2,7230. A alta acumulada pelo dólar em junho é de 7,79%. No ano, a valorização da moeda norte-americana frente ao real é de 17,10%. Nesse mercado, segundo analistas, contribuiu também um fluxo reduzido de dólares para o País.No mercado de juros, as taxas também subiram. Os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 pagavam taxas de 20,800% ao ano, frente a 20,450% ao ano registrados ontem. Já os papéis com vencimento em julho de 2003 apresentaram taxas de 22,000% ao ano, frente a 21,640% ao ano apurados ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou com queda de 3,09%, em 12.210 pontos. O volume de negócios ficou um pouco acima de R$ 632 milhões. Com o desempenho de hoje, a Bolsa acumula uma queda de 5,06% em junho e de 10,07% nesse ano.Entre as ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa -, a maior queda foi apurada pelas preferenciais (PN, sem direito a voto) da Inepar (- 11,29%) e as ordinárias (ON, com direito a voto) da Embratel Participações ON (- 10,95%). A maior alta foi registrada pelas ações Eletropaulo PN (9,05%).Inflação e jurosHoje, a Fundação Getúlio Vargas divulgou o Índice Geral de Preços DI (IGP-DI) referente ao mês de maio. O número apontou uma alta de 1,11%, o maior desde outubro do ano passado e 0,41 ponto porcentual acima do registrado em abril. O principal motivo do avanço, segundo informou o jornalista Nilson Brandão Junior, foi o comportamento do Índice de Preços no atacado (IPA) - componente do IGP-DI -, que passou de 0,75% em abril para 1,27% no mês passado. Amanhã será divulgado o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechado de maio. Esse é o índice usado como referência para a meta de inflação, a qual determina a política monetária atual no Brasil. Nesse ano, a meta é de 3,5%, com margem de tolerância de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo. A expectativa dos analistas é de uma alta entre 0,25% e 0,30%. Mercados internacionais.Na Argentina, o dólar oficial fechou em leve queda pelo segundo dia consecutivo, de 0,56%, segundo informou a correspondente Marina Guimarães. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 3,68%.Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 1,33%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em baixa de 2,19%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.