coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Dólar fraco fortalece vendas de uísque no País

O recuo da cotação do dólar em relação ao real, aliado ao crescimento do rendimento médio real dos trabalhadores, está promovendo uma mudança no consumo de uísque no País. A percepção é das principais empresas de bebidas instaladas no Brasil, que relatam dois fenômenos distintos: os destilados importados da Escócia ou os engarrafados no Brasil estão vendendo mais do que os similares nacionais porque os preços dos dois produtos se aproximaram. Já as marcas tipicamente brasileiras, como Natu Nobilis e Old Eight, estão ?roubando? mercado de outras bebidas mais baratas, como a cachaça.Na Pernod Ricard Brasil, fabricante do Natu Nobilis e representante de marcas como Chivas, Ballantine?s e Royal Salute, as vendas de uísque importado e engarrafado no Brasil crescem por ano mais do que o dobro da bebida nacional, ou 14% ante 6%. Segundo o diretor de marketing da Pernod Ricard, Ricardo Souza, os importados respondem por 10% das vendas totais no Brasil, mas a meta é chegar a 15% em 2010.Souza diz que há mercado para as marcas nacionais e as importadas, mas admite que pode haver canibalização do uísque nacional principalmente pelo engarrafado no País, pois ambos estão com preços muito próximos. Segundo o site da rede de supermercados Pão de Açúcar, o Natu Nobilis custa R$ 26,39. Já o Bells, engarrafado aqui, custa R$ 27,90. O executivo, no entanto, afirma que o consumo de Natu Nobilis é muito forte regionalmente. Como exemplo, cita a Região Sul, onde a bebida teve origem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

25 de outubro de 2007 | 14h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.