Dólar fraco leva Rolls Royce a demitir 2,3 mil

Maioria dos cortes deve ocorrer no Reino Unido, nos Estados Unidos, na Alemanha e nos países nórdicos

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

11 de janeiro de 2008 | 14h50

A Rolls Royce anunciou nesta sexta-feira que vai demitir 2,3 mil empregados para otimizar a produtividade e compensar o impacto do dólar fraco e do maior custo das matérias-primas. A companhia, que emprega 39,5 mil pessoas em todo o mundo, afirmou que está entrando em negociação com os funcionários e seus representantes sobre os cortes.Segundo a empresa, as demissões não devem ter impacto sobre os resultados financeiros de 2007 e os custos com os cortes serão compensados pelas economias a serem feitas em 2008. A maioria dos cortes deve ocorrer no Reino Unido, nos Estados Unidos, na Alemanha e nos países nórdicos.A Rolls Royce é a segunda maior fabricante de motores para jatos comerciais, atrás da General Electric, com quase 49% do mercado de aviões modernos. A companhia gera uma significativa parte de seus lucros e vendas com manutenção e reparo de motores que já estão em uso pelas empresas aéreas.Um dos principais problemas é que a Rolls Royce vende seus motores em dólares, mas tem muitos custos em libra esterlina e euro. A companhia compensa essa diferença cambial com um amplo portfólio de proteção e com a expansão gradual de sua presença em países cujas moedas são atreladas ao dólar. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.