finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Dólar fraco promete Natal com importado mais barato

Efeito será sentido principalmente nas bebidas, segundo os supermercados

Rodrigo Gallo, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

17 de novembro de 2007 | 00h00

Os produtos alimentícios importados para o Natal estão custando até 20% menos neste ano. O motivo, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas), é a queda de 18,36% no dólar desde janeiro.Segundo o presidente da Apas, Sussumo Honda, toda a queda na cotação da moeda está sendo repassada ao consumidores. Desde o Natal passado, alguns produtos já podem ser encontrados por preços bem mais em conta. Para a Apas, o corte será sentido sobretudo nas bebidas, como vinho e champanhe.Mas os produtos nacionais também estão mais baratos, por conta da concorrência. "Quando o produto importado fica mais barato, o nacional tende a acompanhar a queda, pois as empresas não querem perder espaço para os concorrentes estrangeiros", diz Honda.Por causa da variação de preços, a tradicional dica do Procon é o melhor jeito de economizar: cotar preços em pelo menos três supermercados. O economista Luís Carlos Ewald, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e autor do livro Sobrou Dinheiro!, aconselha o consumidor a preparar uma lista prévia com os itens que serão comprados para as ceias de Natal e ano-novo, para não levar produtos desnecessários. O ideal, segundo ele, é ir aos mercados entre terça e quinta-feira e aos domingos, quando há mais promoções. O professor universitário Rui Milanese e a esposa, Rita, já estão preparando a lista de compras para as festas, que inclui bebidas importadas. "Um bom vinho português ainda é mais caro que um equivalente nacional, embora os preços realmente estejam em queda", admite Milanese. "Mas prefiro gastar mais e comprar um estrangeiro, pois o custo-benefício compensa."Segundo as redes de supermercados, as lojas costumam ter grande aumento nas vendas a partir da primeira semana de dezembro.POPULARESNão são só os importados caros que devem atrair os consumidores neste Natal. A expectativa é de que os produtos populares estrangeiros vendidos por R$ 1,99 alcancem um crescimento de até 10% na comparação com o ano passado.Segundo a Associação Brasileira de Importadores de Produtos Populares (Abipp), os comerciantes importaram cerca de 50 milhões de unidades para este Natal, o que dá uma diversidade de cerca de 5 mil itens disponíveis.De acordo com a Abipp, o período de Natal representa 40% do faturamento do setor de produtos populares. Com o possível crescimento de 10% nas vendas dos importados de R$ 1,99 este ano, o lucro pode chegar a R$ 12 bilhões em 2007.INTERNETQuem também deve faturar alto este ano é o comércio eletrônico, pela internet. A WebTraffic prevê que o comércio online brasileiro cresça 45% neste Nata. Em 2006, o faturamento do setor foi de cerca de R$ 700 milhões. Entre os motivos apontados para o crescimento das vendas estão o aumento dos prazos de pagamento, redução dos juro e dos preços. Por isso, a empresa estima que os artigos preferidos como presente neste Natal serão os eletroeletrônicos, como computadores, videogames, tocadores de MP3 e televisores de plasma e LCD. ÀS COMPRASMuitos paulistanos aproveitaram o feriado para antecipar as compras da ceia de Natal no Mercado Municipal, centro de São Paulo. Para alguns comerciantes, as vendas chegaram a aumentar 50% na comparação com a semana passada. A dentista Catherine Arenas foi uma das que aproveitaram a emenda do feriado da República para ir ao Mercado Municipal comprar frutas secas, vinhos e queijos. "Sempre faço compras aqui. Estou aproveitando para comprar algumas coisas para a ceia, para não deixar para a última hora."Os casais Wilson e Salete Boccardo e João e Vera Dallacqua viajaram 280 quilômetros desde São Manoel, município próximo de Bauru, para comprar principalmente queijos e vinhos. "Os preços do Mercadão são razoáveis e tem ótima variedade de produtos", comentou Wilson.Heldon Santos Costa, funcionário do box Laticínios Pirâmide, disse que o movimento aumentou 50% ontem, em relação à sexta-feira anterior. A maior parte dos clientes comprou bacalhau, frutas secas, azeites e azeitonas importadas. "A tendência é de que aumente muito mais nas próximas semanas", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.