coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Dólar fura R$ 2,30 e cai 3% no mês

Moeda americana encerra na mínima de R$ 2,299 com previsão de queda na demanda por causa da crise

Silvana Rocha, Denise Abarca e Claudia Violante, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2009 | 00h00

Em sintonia com a queda ante as euromoedas e divisas de outros países emergentes, o dólar no mercado doméstico fechou no negativo, ontem, e abaixo de R$ 2,30 pela 1ª vez desde 16 de fevereiro. No final, a moeda estava na cotação mínima de R$ 2,299, em baixa de 2,17% no balcão. O resultado ampliou as perdas ante o real para 3,04% em março e 1,54% no ano. As cotações declinaram com vendas de investidores estrangeiros em meio a perspectivas de diminuição na demanda no curto prazo por causa da crise. O declínio seguiu ainda o recuo da divisa americana no mercado de moedas, com a retomada do apetite por risco, que amparou ainda os ganhos das bolsas nos EUA. Os índices acionários em Nova York foram impulsionados pelo avanço das empresas do setor financeiro e encerraram com altas pelo terceiro dia seguido. O índice Dow Jones avançou 3,46% e terminou acima dos 7 mil pontos (em 7.170,06 pontos) pela primeira vez este mês. A Bovespa ganhou apenas 0,89%, aos 39.151,86 pontos, afetada pelas quedas das ações da Vale diante da previsão de queda na demanda por matéria-prima. Os juros cederam ajustando-se ao corte de 1,5 ponto da taxa Selic, para 11,25% ao ano. A taxa de janeiro de 2010 recuou a 9,93%.FRASERogério OliveiraDiretor do Barclays Capital ao AE Broadcast Ao Vivo''Preocupação do BC está em como será a resposta fiscal da Fazenda à crise. Se (governo) gastar mais do que pode, irá comprometer a convergência dos juros''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.