Dólar interrompe sessões de ganhos e fecha em queda de 1,83%

Mercado deu voto de confiança ao candidato Aécio Neves nesta sexta-feira; na semana, dólar acumulou ganho de 1,11%

Fabrício de Castro, O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 17h27

O mercado financeiro resolveu nesta sexta-feira, 24, dar um voto de confiança a Aécio Neves, em meio à expectativa de que o candidato do PSDB ainda possa virar o jogo contra Dilma Rousseff (PT). Após as pesquisas Ibope e Datafolha mostrarem na tarde de ontem clara vantagem da petista sobre o tucano, o levantamento do instituto Sensus, divulgado na manhã de hoje, mostrou o contrário, com a liderança para Aécio. Foi a senha para que os investidores vendessem dólares.

O dólar à vista negociado no balcão recuou 1,83%, aos R$ 2,46, interrompendo uma sequência de quatro sessões seguidas de ganhos, quando avançou 3%. Na semana, o dólar acumulou ganho de 1,11%.

"Pela manhã, muita gente já havia decidido não fazer nada, apenas aguardar o resultado da eleição de domingo. Só que saiu a pesquisa Sensus e ficou todo mundo ouriçado", comentou um operador. No levantamento, que saiu antes da abertura dos negócios no câmbio, Aécio Neves apareceu com 54,6% das intenções de voto e Dilma Rousseff somou 45,4%. A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos, o que coloca o tucano em vantagem inclusive fora da faixa de empate técnico. Este cenário, é bom lembrar, é diferente do visto nas pesquisas Ibope e Datafolha. Ainda assim, os investidores decidiram reduzir posições compradas em dólar (de alta da moeda).

A expectativa para o debate da noite de hoje entre Dilma e Aécio também permeava as mesas de operação, assim como as especulações em torno do impacto, sobre o eleitorado, de reportagem que aparece na revista Veja neste fim de semana. De acordo com a reportagem, a presidente Dilma Rousseff e seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, sabiam de todo o esquema de corrupção montado na Petrobrás. A reportagem cita depoimento do doleiro Alberto Youssef à Polícia Federal, prestado na última terça-feira em Curitiba, no processo de delação premiada.

Durante a tarde, circularam pelas mesas comentários de que levantamentos eleitorais de bancos e do próprio PSDB apontavam uma proximidade entre Aécio e Dilma - um cenário diferente do registrado tanto pelo Ibope quanto pelo Datafolha.

No exterior, o dólar recuava ante algumas moedas de países exportadores de commodities, mas subia ante outras. Perto das 17 horas a moeda americana cedia 0,45% ante o dólar canadense, por exemplo, mas tinha alta de 0,03% ante o canadense.

Tudo o que sabemos sobre:
DOLAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.