Dólar lidera ranking de investimentos em novembro

Moeda americana teve alta de 4,78% no mês; ouro ficou em 2º, com alta de 3,82% 

Luiz Guilherme Gerbelli, de O Estado de S. Paulo,

30 de novembro de 2012 | 22h28

O dólar comercial liderou o ranking de investimento em novembro. A moeda americana teve alta de 4,78% no mês e não ocupava a primeira colocação desde maio. O ouro - ativo bastante procurado em momentos de turbulência global - ficou na segunda posição, com variação de 3,82%.

A alta do dólar também está relacionada com as incertezas do cenário internacional. Em novembro, após a reeleição de Barack Obama, os Estados Unidos voltaram a debater o abismo fiscal. Na Europa, as incertezas sobre a Grécia também afetaram o mercado de câmbio - no mês passado, os ministros da zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) permitiram a liberação de 43,5 bilhões para financiar a economia grega.

"Essa ajuda da Grécia já foi resolvia na Europa, então isso já saiu da frente. Ficamos com essa incerteza dos Estados Unidos, que parece também já está se arrefecendo", afirma Michael Viriato, professor de finanças do Insper.

Na terceira colocação de novembro, ficou o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) com alta de 0,71%, recuperando parte do resultado ruim de outubro, quando a desvalorização foi de 3,56% .

"A Bolsa começou o mês bem, mas as incertezas fizeram com ela caísse bastante. A Bolsa se recuperou logo que as dúvidas foram sendo consumidas", diz Viriato, do Insper.

A poupança antiga teve um rendimento de 0,50% e bateu os fundos DI e renda fixa. A nova poupança - cujo rendimento é atrelado a 70% da taxa básica de juros - teve valorização de 0,41% em novembro.

"Nas aplicações a juros, a toada tem sido a mesma. Os juros caíram muito e não estão cobrindo basicamente o IPCA quando a taxa de administração e o Imposto de Renda são descontados", diz Fabio Colombo, administrador de investimento. Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, manteve a taxa básica de juros em 7,25% ao ano depois de promover dez reduções seguidas.

No mês passado, os investimentos também foram beneficiados pela recuo da inflação. O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) teve queda de 0,03%, ocupando a última posição do ranking.

Dezembro

O futuro das aplicações em dezembro deve depender dos Estados Unidos com um possível acordo sobre o abismo fiscal. Se democratas e republicanos chegaram a um consenso sobre o assunto, a tendência é que o "mercado embale". "Isso pode favorecer a Bolsa", afirma Fabio Colombo.

No último mês do ano, a tendência, segundo o professor do Insper, é que a recuperação da Bolsa continue, ainda como parte da melhora depois da queda verificada em outubro. "Eu ainda acredito que a Bolsa vai melhorar e deve ser uma boa aposta para este último mês de 2012", afirma.

Ranking anual. Em todo ano, a melhor aplicação ainda é o ouro - com valorização de 23,16%. Na sequência, aparece o dólar comercial, com alta de 13,80%. Os fundos de renda fixa são a terceira melhor aplicação, com valorização de 7,99%. No ano, as demais aplicações estão sendo corroídas pelo IGP-M que acumula alta de 6,96%.

A pior aplicação é a Bolsa, com valorização de apenas 1,27%.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.