Reuters
Reuters

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Dólar cai para R$ 4,3339 depois de atuação do Banco Central

Moeda americana, que vem batendo cotações recordes, alcançou os R$ 4,38 na manhã desta quinta-feira, após fala do ministro Paulo Guedes, na quarta-feira, em defesa de uma taxa de câmbio mais alta

Altamiro Silva Junior e Luís Eduardo Leal, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2020 | 09h52
Atualizado 13 de fevereiro de 2020 | 19h01

Depois de cinco dias de ganhos e uma sucessão de renovações de recordes históricos, o dólar fechou em queda de 0,39%, a R$ 4,3339, nesta quinta, 13. O real se descolou de outras moedas emergentes e foi a divisa com melhor desempenho entre seus pares após o Banco Central fazer um leilão extraordinário de US$ 1 bilhão em swap, uma espécie de venda de dólar no mercado futuro. À tarde, o ritmo de queda se reduziu, por conta do exterior negativo, em meio a renovadas preocupações com o coronavírus.

 

No início da noite, o BC anunciou novo leilão de swap de US$ 1 bilhão para esta sexta-feira, 14, que começa às 9h30. O dólar abriu o dia em alta e foi a R$ 4,38, embalado pelas declaraçõesdos ministros Paulo Guedes, da Economia, e de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, que não mostraram maiores preocupações do dólar mais alto no Brasil. "É melhor termos juros a 4% e câmbio a R$ 4,00, do que câmbio a R$ 1,80 e juros de 14%, nas alturas", disse Guedes.

 

Por isso, logo pela manhã as taxas do cupom cambial (juro em dólar) subiram mais de 50 pontos-base, indicando "disfuncionalidade" do mercado, segundo profissionais de câmbio, o que levou o BC a agir. A taxa do cupom mais curto, de 30 dias, estava na casa dos 1,60% e subiu para 2,15%. No de 60 dias, a evolução também foi expressiva, com a taxa saindo de 1,80% para 2,27% nesta quinta.

Bolsa

Após duas sessões em recuperação, o Ibovespa voltou a fechar em terreno negativo nesta quinta-feira, com as ações de commodities, como Petrobrás (ON -1,90%) e Vale (-1,75%), em baixa na sessão, apesar do desempenho positivo observado, mais uma vez, nos preços do Brent (+0,99% para abril) e do minério de ferro (+1,00% em Qingdao). Outro segmento de peso que vinha esboçando alguma reação em sessões anteriores, o de bancos, também registrou perdas nesta sessão. Assim, o principal índice da B3 fechou o dia em baixa de 0,87%, a 115.662,40 pontos, tendo oscilado entre mínima de 114.800,64 e máxima de 116.659,69 pontos.

Na semana, o Ibovespa acumula agora alta de 1,66%, praticamente o mesmo desempenho do mês (+1,67%), enquanto, no ano, o índice sobe agora 0,01%. O giro financeiro desta sessão totalizou R$ 21,6 bilhões, após ter chegado ontem a R$ 74,6 bilhões, quando foi muito reforçado pelo vencimento de opções e futuros sobre o índice.

Após uma sessão moderadamente negativa nos mercados da Europa, Nova York chegou a operar sem direção única, mas acabou fechando no vermelho, com os três índices, especialmente S&P 500 e Nasdaq, ainda bem perto das máximas históricas de encerramento renovadas na quarta, apesar de certo recrudescimento dos temores em torno do coronavírus, depois de a China ter efetivado mudança na metodologia de diagnóstico e na contagem dos casos no país (em alta). /COLABOROU DENISE ABARCA

Tudo o que sabemos sobre:
câmbiodólarBanco Central do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.