Reuters
Reuters

entrevista

E-Investidor: "Juro baixo tira o dinheiro dos rentistas e leva para as empresas", diz CEO da Valora

Dólar fecha a R$ 4,2850, maior valor nominal da história

Nas casas de câmbio, a moeda americana encosta nos R$ 4,50, variando entre R$ 4,40 e R$ 4,48; moedas emergentes foram afetadas pela retomada da aversão a risco com o rápido alastramento do coronavírus para 22 países

Altamiro Silva Junior e Luís Eduardo Leal, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2020 | 13h10
Atualizado 01 de fevereiro de 2020 | 00h04

O dólar fechou janeiro em nova máxima histórica nesta sexta, 31, a R$ 4,2850, com o aumento da preocupação dos investidores dos efeitos da rápida disseminação do coronavírus na economia mundial. 

Bancos como JPMorgan, Goldman Sachs e Citi já estão revendo suas projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) seja da China, dos Estados Unidos ou do mundo. A moeda americana acumulou valorização de 6,81% no mês, a maior desde agosto de 2019, quando o mercado se estressou com a Argentina, por conta das baixas chances de Mauricio Macri ser reeleito.

O real foi uma das moedas com pior desempenho ante o dólar este mês, bem perto da África do Sul, onde a divisa dos EUA acumula aumento de 6,9%. Na semana, a moeda americana subiu 2,40% aqui, marcando a quinta semana consecutiva de ganhos. O dólar futuro para março, que passou a ser o contrato mais líquido, subiu 0,93%, para R$ 4,2885.

A sexta-feira foi novamente dia de estresse no mercado internacional, em meio a notícias de que mais países, como a Suécia, passaram a registrar casos do coronavírus, mais companhias aéreas passaram a restringir voos para a China ou vindos do país asiático e os casos confirmados se aproximaram de 10 mil pessoas.

Com a rápida disseminação da epidemia, o JPMorgan cortou a previsão de crescimento da economia mundial em 0,3 ponto porcentual no primeiro trimestre, para 2,3%. O banco americano, contudo, espera que o impacto negativo da disseminação do vírus não dure muito, devendo durar entre 2 ou 3 meses, com base em experiências históricas com outras epidemias, como a do Sars em 2003. Com isso, o impacto maior no PIB será neste trimestre.

Já o Goldman Sachs vê o coronavírus retirando 0,4 ponto do crescimento do PIB americano no primeiro trimestre, mesmo porcentual estimado para a China. Mais cedo, a moeda bateu máximas quando foi divulgado que o índice de atividade industrial de Chicago elaborado pelo Instituto para a Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês) caiu para 42,9 em janeiro, o menor nível desde dezembro de 2015.

Bolsa

O Ibovespa acumulou perda de 3,90% nesta semana, a maior para o intervalo desde a encerrada em 16 de agosto de 2019 (-4,03%), de acordo com o AE Dados. Nesta sexta, ainda pressionado pelas incertezas sobre o coronavírus, o principal índice da B3 fechou em baixa de 1,53%, a 113.760,57 pontos, acumulando perda de 1,63% no mês - o primeiro desempenho negativo para janeiro desde 2016.

Na Bolsa, o giro financeiro totalizou R$ 24,2 bilhões, com o Ibovespa oscilando entre mínima de 113.148,36 e máxima de 115.518,20 pontos, em dia de vendas disseminadas, com poucas ações (11) em terreno positivo no encerramento. O movimento negativo chegou a se acentuar na hora final da sessão, com o Dow Jones, índice de Nova York que concentra ações de indústrias, entre as quais companhias com forte geração de receitas no exterior, em queda acima de 2%, nas mínimas do dia. No pior momento, o Ibovespa perdia pouco mais de 2% na sessão.

 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.