Dólar mostra cautela sobre IOF e sobe antes de feriado

Moeda norte-americana fecha cotada a R$ 1,669; Bovespa segue bom humor em NY e opera em alta

Fabio Gehrke, da Reuters,

18 de abril de 2008 | 16h26

O dólar fechou em alta nesta sexta-feira, 18, ignorando o bom humor externo e seguindo uma notícia de que o governo estaria planejando elevar o IOF para estrangeiros e aumentar a barreira para a entrada de dólares no País.  A moeda norte-americana subiu 0,66%, a R$ 1,669. Apesar da alta desta sessão, a divisa acumulou baixa de 1,30% na semana, queda impulsionada principalmente pela majoração dos juros domésticos. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), por sua vez, subia 0,59%, aos 64.935 pontos, puxada pela forte alta nos mercados de Nova York.  No meio da semana, o Banco Central elevou a taxa Selic em 0,50 ponto percentual para 11,75%, o que favorece ainda mais as operações de arbitragem que lucram com os diferencias nas taxas praticadas interna e externamente.  Mas nesta sexta-feira, o dólar se descolou de sua tendência e do bom desempenho dos mercados acionários globais, para repercutir notícia, sem fontes, publicada no jornal Folha de São Paulo.  A matéria do jornal alerta para a possibilidade de um aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) no ingresso de investimentos estrangeiros em ativos de renda fixa para conter a "enxurrada" de dólares no Brasil após a elevação da taxa de juro.  Em março, o governo voltou a cobrar o IOF de 1,5% de investidores estrangeiros em compras de títulos de renda fixa. A medida visa limitar a apreciação do real e assim impulsionar as exportações.  "O mercado brasileiro está sofrendo um pouco com a especulação de que o governo aumente o IOF... elevando a barreira para a entrada de dólares", afirmou Rodrigo Ferreira, operador do Banco Alfa de Investimento.  Segundo Maria Paiva, analista de câmbio da corretora Liquidez, as especulações que impulsionaram a cotação do dólar nesta sexta-feira, não devem ocorrer no curto prazo.  "(A notícia) deve ser boato, agora não é o momento de fazer isso (elevar a taxação do IOF para estrangeiros). O governo deixou claro que não existe meta cambial, a meta é com a inflação".  Paiva, que acredita que a alta desta sessão se trata de um movimento pontual e não uma inversão de tendência, lembrou que a moeda estrangeira ainda foi pressionada pelo final de semana prolongado devido ao feriado nacional de Tiradentes na próxima segunda-feira.  "Isso é um movimento normal de cobertura de posição vendida antes de um feriado. No feriado de Tiradentes não tem mercado aqui, mas lá fora tudo funciona."  Na última hora de negócios, o Banco Central realizou um leilão de compra de dólares no mercado à vista e definiu a taxa de corte a R$ 1,6705.

Tudo o que sabemos sobre:
Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.