Dólar oscila mas resiste a queda

O dólar abriu o dia com mais calma, a R$ 3,68% (queda de 2,65%). Mas em seguida começou a subir, chegando a superar a cotação de fechamento de ontem. A cotação máxima do dia, até agora, foi de R$ 3,79 (alta de 0,26%). Às 11h20, o dólar comercial era vendido a R$ 3,7600, em baixa de 0,53% em relação às últimas operações de ontem. Com esse resultado, o dólar acumula uma alta de 62,35% no ano e 20,78% nos últimos 30 dias.A despeito da abertura mais calma, os investidores continuam cautelosos. No exterior, os riscos persistem em todas as frentes. As ameaças de guerra contra o Iraque continuam no ar, bem como o receio de uma crise econômica mais aguda nos EUA e na Europa. Os próximos indicadores econômicos americanos, como o PIB que sai na sexta, serão esquadrinhados em busca de sinais sobre a saúde da economia. A cautela com a corrida eleitoral também não deve diminuir. Depois desta última rodada de pesquisas de intenção de votos, o mercado já está com as expectativas voltadas para as próximas sondagens. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 21,950% ao ano, frente a 22,120% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 1,20% em 9258 pontos. Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - operava em alta de 0,98% (a 7758,1 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - sobe 1,26% (a 1197,03 pontos). Veja às 15h um comentário sobre os negócios da manhã. E não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

25 de setembro de 2002 | 11h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.