Dólar permanece em alta desde a abertura dos negócios

O dólar comercial iniciou o dia em alta de 0,39% em relação aos últimos negócios de ontem, cotado a R$ 3,0650 na ponta de venda das operações. Às 10h23 a moeda norte-americana está no patamar máximo do dia, vendida a R$ 3,0660, em alta de 0,43%. Clique aqui para acompanhar a cotação do dólar. O petróleo, que segue em alta e já bateu novo recorde nesta manhã, continua sendo o foco de preocupação dos investidores. Na noite de ontem, o presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, disse que se o preço internacional do barril de petróleo se consolidar entre US$ 40 e US$ 45, a empresa vai fazer ajuste no preço dos combustíveis, o que levará a uma pressão de alta sobre a inflação.Inflação em alta prejudica a queda das taxas de juros. Com juros altos, as empresas têm mais dificuldade para captar recursos no exterior, já que o custo é maior. Este cenário tende a reduzir a entrada de dólares no país, abrindo a possibilidade de que o real fique depreciado em relação ao dólar. Juros altos também inibem o crescimento econômico e tornam a dívida do País mais elevada. Boas notíciasNo sentido oposto a este cenário preocupante com a alta do petróleo, o dia começou hoje com a divulgação do IPC-Fipe de julho, que ficou em 0,59%, abaixo do apurado na terceira quadrissemana do mês (0,63%) e significativamente menor do que o verificado em junho, quando a inflação foi de 0,92%. A taxa do mês passado ficou dentro do previsto pelos analistas ouvidos pela Agência Estado, que esperavam variação entre 0,40% e 0,65%.O Banco Central também decidiu rolar parte da dívida cambial que vence no dia 12, o que aumenta a oferta de ativos atrelados ao dólar, reduzindo a pressão de alta sobre a moeda norte-americana.Cenário políticoEm relação ao cenário político, que ficou tenso nos últimos dias devido às denúncias envolvendo os presidentes do Banco do Brasil e do Banco Central, o mercado está tranqüilo. A avaliação dos investidores nesta manhã era de que o caso está perdendo força. De qualquer forma, o assunto continua sendo monitorado com atenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.