Dólar recua 4% e fecha a R$2,203 após leilões do BC

O dólar fechou em forte queda nesta quinta-feira, após pesadas intervenções do Banco Central no mercado cambial, em meio à permancência das incertezas com a crise financeira global. Em uma sessão de menor volatilidades, na comparação com os últimos dias, a moeda norte-americana caiu 3,97 por cento, a 2,203 reais. "Hoje foi mais tranquilo", resumiu Mario Battistel, gerente da Fair Corretora. A moeda norte-americana variou 6 centavos durante toda a sessão, na véspera por exemplo a moeda oscilou 25 centavos. Mas o movimento mais "comportado" do câmbio, sempre em termos relativos, se deveu muito à presença do BC. "À tarde... (o dólar) só não subiu porque o BC segurou", explicou Battistel. O Banco Central realizou nesta quinta-feira dois leilões de venda de dólares no mercado à vista. Um pela manhã, com taxa de corte de 2,1710 reais, e outro à tarde, com taxa de corte de 2,1680 reais. Além dos dois leilões no mercado à vista, a autoridade monetária ainda realizou um leilão de swap cambial, vendendo 18.650 contratos, com volume equivalente de 911 milhões de dólares. A operação funciona com uma venda futura de dólares ao mercado. "O BC está dando dólar efetivo para o mercado, suprindo a sua demanda", disse Battistel. Para João Medeiros, diretor de câmbio da Pioneer Corretora, além disso, a atuação da autoridade monetária também está servindo para derrubar eventuais movimentos especulativos. "Se houver qualquer caráter especulativo (na alta do dólar), esse não pode contra o BC", argumentou. O mercado de câmbio no Brasil fechou pouco antes de uma forte piora nas bolsas de valores. Minutos antes de fecha, o principal índice de Nova York desabava 5,6 por cento. (Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.