coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Dólar recua mais com pronunciamento de Malan

O dólar comercial está em forte queda, que acentuou-se ainda mais durante o pronunciamento do ministro da Fazenda, Pedro Malan, e do presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga. Às 13h04, a moeda norte-americana chegou ao patamar mínimo dessa quinta-feira, em R$ 2,6400 - baixa de 5,55% em relação aos últimos negócios de ontem. Segundo operadores de mercado, a partir desse horário, as mesas de operação pararam de negociar, à espera de mais detalhes sobre as atitudes que o Banco Central adotará para dar maior tranqüilidade aos investidores. Segundo informou o jornalista James Allen, Malan confirmou que o governo brasileiro vai exercer os dois direitos de saques especiais, que totalizam US$ 10 bilhões. O ministro informou ainda que o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordou em reduzir o piso das reservas internacionais de US$ 20 bilhões para US$ 15 bilhões. Hoje as reservas estão em US$ 28,6 bilhões. Às 13h06, os C-Bonds, principais títulos da dívida brasileira, estão cotados a 69,750 centavos por dólar, frente a 66,000 centavos por dólar ontem. Já a taxa de risco-país estava em 1.173 pontos base. Ontem, com um mercado extremamente nervoso, a taxa chegou a 1.300 pontos base. O risco-país mede a confiança que os investidores mundiais têm em que um país vá honrar suas dívidas.

Agencia Estado,

13 de junho de 2002 | 13h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.