Dólar segue em disparada e chega a R$ 3,70

Como previsto no início do dia, o dólar vive mais um dia de forte pressão e vem disparando. Há pouco bateu novo recorde desde a criação do real, alcançando R$ 3,70. Segundo operadores, o Banco Central atuou no mercado à vista duas vezes durante esta manhã, levando a moeda norte-americana a cair, mas ela voltou a subir com força. Os demais mercados acompanharam o pessimismo.Os especialistas afirmam que a trajetória ascendente do dólar continua sendo alimentada pelas incertezas em relação ao cenário externo e ao rumo que toma a corrida presidencial. Depois do último Datafolha, hoje à noite será a vez da divulgação dos números do Ibope. O temor do mercado é que esse levantamento confirme a tendência de crescimento de Luiz Inácio Lula da Silva (PT/PL) e a estagnação de José Serra (PSDB/PMDB), o favorito dos mercados, que agora, inclusive, estaria disputando a segunda colocação com Anthony Garotinho (PSB).A entrevista de Lula hoje no Grupo Estado, inaugurando uma rodada que contará com a presença dos mais importantes candidatos à presidência, foi outro dos destaques da manhã. O mercado acompanhou, embora sem esboçar reação, as declarações do petista, que foi enfático ao afirmar que Armínio Fraga não fará parte de seu governo. Lula disse ainda que o atual governo fez o juro alto se sobrepor à produção, que vê o momento atual como transição e que a meta de inflação não pode implicar em estagnação econômica por oito anos.No cenário externo tudo colaborou para a continuidade da pressão na cotação da moeda norte-americana. As bolsas européias fecharam em baixa e os mercados norte-americanos também operam no terreno negativo. Internamente, os operadores destacam que o fluxo de recursos melhorou em relação aos últimos dias, com maior presença de exportadores nas mesas de negociação. O mercado tem a expectativa também que uma das fontes de pressão de compra de dólar à vista registrada nas duas últimas semanas encerre hoje. É que amanhã vence o primeiro grande lote de US$ 1,5 bilhão) em títulos cambiais que o governo só renovará parcialmente até metade de outubro. Muitos detentores de cambiais devem optar por substituir seus títulos vencidos por dólares, pressionando as cotações. MercadosÀs 15h, o dólar comercial estava sendo vendido a R$ 3,70; na máxima do dia, em alta de 3,50% em relação às últimas operações de ontem. Ao longo do dia, o valor mínimo negociado foi de R$ 3,5850.Com o resultado apurado agora, o dólar acumula uma alta de 59,76% no ano e de 18,86% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 21,820% ao ano, frente a 21,870% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 apresentam taxas de 26,050% ao ano, frente a 26,100% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 1,78% em 9099 pontos e volume de negócios de cerca de R$ 320 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 32,98% em 2002 e de 5,96% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, 13 apresentaram alta. O principal destaque são os papéis da Telesp Celular ON (ordinárias, com direito a voto), com queda de 6,25%.Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - apresenta queda de 1,06% (a 7788,9 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - sobe 0,62% (a 1192,25 pontos). O euro opera em alta de 0,35%; sendo negociado a US$ 0,9802. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, está em alta de 0,75% (378,23 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.