carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Dólar sobe 0,56% em dia de leilão à vista e por exterior

O dólar fechou em alta ante o real nesta quarta-feira, reagindo ao cenário externo mais negativo e ampliando ganhos após o Banco Central anunciar um leilão de compra de dólares no mercado à vista.

DANIELLE FONSECA, REUTERS

28 de março de 2012 | 18h09

A moeda norte-americana subiu 0,56 por cento, cotado a 1,8279 real, próxima da máxima do dia, de 1,8288 real, enquanto a mínima foi de 1,8152 real.

"O dólar já teve alta pela manhã em virtude do cenário externo, com uma maior aversão ao risco favorecendo o dólar. Depois houve leilão para manter essa alta", disse um operador de câmbio que preferiu não se identificar.

Para o operador, o leilão reforça a expectativa de que o Banco Central não quer deixar a moeda cair abaixo de pelo menos 1,80 real, sendo que a alta também continua estimulada pela expectativa de que ainda possam ocorrer mais medidas em relação ao câmbio.

O operador de câmbio da B&T Corretora de Câmbio, Marcos Trabbold, também citou o leilão à vista como motivo para a alta. "Assim que a moeda começou a ameaçar uma queda, houve um leilão", disse.

O BC voltou a realizar com leilões à vista depois de não ter feito esse tipo de atuação desde a última sexta-feira. A moeda estava próxima da estabilidade quando o BC anunciou o leilão, e passou a operar em leve alta.

Ao longo do dia, a divisa ampliou ainda mais os ganhos frente ao real, apoiada pelo cenário externo e também após dados sobre o fluxo cambial da semana passada, que mostraram que as medidas tomadas pelo governo para conter uma valorização excessiva do real podem estar começando a refletir em uma entrada menor de dólares no país.

O Brasil registrou mais saídas do que entradas de dólares na semana passada, com o fluxo cambial negativo em 306 milhões de dólares entre os dias 19 e 23 passado. Uma semana antes, o fluxo já havia registrado uma entrada menor de dólares.

No exterior, entre os motivos que levaram a uma maior cautela e queda nas bolsas estão os dados dos Estados Unidos, com o indicador de novas encomendas de bens duráveis, que subiu 2,2 por cento, menos que o esperado em fevereiro.

O dólar também apresentava, às 17h27, alta frente a uma cesta de divisas, com leve valorização de 0,09 por cento.

(Reportagem de Danielle Fonseca)

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.