Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Dólar sobe 1,75%, a R$2,332 por pessimismo em bolsas

O dólar fechou em alta ante o real nesta segunda-feira, na esteira do pessimismo nos mercados internacionais, com preocupações sobre duas grandes montadoras do Estados Unidos derrubando os mercados.

REUTERS

30 de março de 2009 | 16h50

A moeda norte-americana encerrou a sessão com avanço de 1,75 por cento, a 2,332 reais para venda.

"Se houver uma nova onda de quedas de empresas importantes, o investidor vai ficar mais arisco, a liquidez internacional vai diminuir e isso vai pressionar o dólar aqui", avaliou Miriam Tavares, diretora de câmbio da AGK Corretora.

Mais cedo, as bolsas europeias fecharam em queda acentuada por preocupações com o setor bancário, com a Espanha lançando seu primeiro pacote de resgate a bancos.

Nos Estados Unidos os mercados também cediam, à medida que investidores realizavam lucros e mostravam-se apreensivos com rumores de uma possível falência da General Motors e da Chrysler.

Nesta segunda-feira, o governo norte-americano recusou um plano de reestruturação de ambas as montadoras e forçou a saída do presidente-executivo da GM, Rick Wagoner.

Os mercados não receberam bem as notícias, e os principais índices de Nova York caíam mais de 3 por cento, movimento seguido de perto pela Bovespa.

Frente a uma cesta com as principais moedas globais, o dólar tinha valorização em torno de 0,7 por cento.

De acordo com os dados mais atualizados da BM&F, o volume de dólar negociado no segmento à vista girava em torno de 2,2 bilhões de dólares, pouco abaixo da média diária do mês, de 2,6 bilhões de dólares.

(Reportagem de José de Castro)

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.