finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Dólar sobe 2,67% e supera R$2 com piora no exterior

O dólar voltou a superar os 2 reaisnesta terça-feira, impulsionado pela volta da turbulência nosmercados financeiros com a apreensão sobre as condições decrédito e liquidez globais. A moeda norte-americana fechou na máxima do dia, a 2,003real, em alta de 2,67 por cento. A preocupação com as perdas associadas ao setor de créditode alto risco nos Estados Unidos manteve as bolsas de valoresem queda desde o começo da sessão, impulsionando o dólar. "O mercado ultimamente não tem nenhuma coerência comfundamentos... Está muito ligado ao mercado externo", resumiuJorge Knauer, gerente de câmbio do Banco Prosper. A arrancada final ocorreu após a divulgação da ata daúltima reunião do Federal Reserve. O documento mostra que,naquele encontro, o banco central norte-americano reconheciaque as condições do mercado financeiro poderiam piorar,exigindo a adoção de medidas de política monetária. Acompanhando a queda de mais de 1 por cento nas bolsas devalores em Nova York e o fim da série positiva na Bolsa deValores de São Paulo (Bovespa), o risco-país operou durantetodo o dia em alta, sinalizando uma menor disposição dosinvestidores em trazer dólares para o mercado brasileiro. Marcos Forgione, gerente de câmbio da Hencorp CommcorCorretora, disse que não houve uma deterioração real dascondições de mercado nesta sessão. Para ele, o nervosismo dasúltimas semanas ainda é o que determina o comportamento dosinvestidores. "No fundo, o mercado quer muito partir para frente, mas temainda aquele receio, aquele temor, de avaliar efetivamente oestrago desse ''subprime'' (crédito de alto risco)", comentou. Segundo Forgione, muitos investidores têm evitado montarposições para não correr riscos e preferem atuar no chamadoday-trade (com uma perspectiva diária), o que traz volatilidadepara o mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.