Dólar sobe com queda dos juros

Os resultados da redução da taxa básica de juros - Selic - de 18,5% ao ano para 17,5%, anunciada ontem pelo Banco Central (BC), já começam a ser percebidos no mercado financeiro. O primeiro sinal é a alta de 0,66% do dólar. Há pouco ele estava cotado a R$ 1,8130 na ponta de venda. A moeda norte-americana chegou a ser cotada em R$ 1,8170, uma alta de 0,99% em relação ao fechamento oficial de ontem, que foi R$ 1,7991.Operadores de mercado acreditam que essa alta já era esperada. Isso porque a queda da Selic deixa os empréstimos internos mais baratos e diminui a vantagem das captações externas. De acordo com reportagem da editora Cristina Canas, além disso, há muitos vencimentos de dívidas de empresas brasileiras no exterior. Com a queda dos juros internos, a rolagem da dívida externa deixa de ser atraente. Esse movimento diminui o volume de dólares no mercado interno e pressiona o preço do dólar.Porém, se a queda da Selic for bem vista no mercado internacional, o juros pagos pelo País nos títulos da dívida no exterior tendem a cair. A redução seria um sinal de confiança do mercado externo, ou seja, de diminuição do risco Brasil. Nesse cenário, as empresas brasileiras terão mais facilidade de captar recursos fora do País, gerando uma maior entrada de dólares. O resultado seria uma queda na cotação do dólar.Nesse caso, os dois efeitos podem se anular e a redução da Selic não teria influência no fluxo de capitais estrangeiros, nem nas cotações do dólar frente ao real. Ou seja, todo o cenário do mercado financeiro vai depender de como os investidores vão avaliar a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom). Neste momento, não é possível saber quais dos fatores vão ser predominantes na definição de tendência. É preciso esperar os investidores reagirem efetivamente. Bolsas devem ter bom desempenho A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta de 0,16%. Há pouco estava em alta de 1,94%. A expectativa dos analistas é que o mercado acionário fique mais atrativo aos olhos do investidor. De acordo com apuração do editor Francisco Carlos de Assis, a Bolsa paulista deverá encerrar o seu pregão de hoje em alta de 4% ou mais, operando descolada do mercado norte-americano durante toda a sessão. As bolsas de Nova Iorque abriram em queda e ainda mantêm compasso de espera em relação à decisão do banco central norte-americano (FED) sobre os juros nos Estados Unidos. Agora há pouco, a Nasdaq - bolsa que negocia empresas de tecnologia em Nova Iorque - estava em alta de 0,62%. O índice Dow Jones - que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na bolsa de Nova Iorque - estava estável em ligeira alta de 0,08%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.