finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Dólar sobe com rolagem de contrato futuro e fluxo negativo

Cenário:

SILVANA ROCHA , O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2012 | 03h07

Com a proximidade da virada de mês, os agentes financeiros iniciaram a rolagem de contratos futuros, o que trouxe volatilidade à formação de preço do dólar ontem. Além disso, a previsão do vencimento do contrato de dólar para maio, na terça-feira que vem (feriado pelo Dia do Trabalho), sustentou uma diminuição do diferencial entre a taxa do dólar à vista no balcão e a do dólar para maio de 2012 na BM&F, que será liquidado no próximo dia 2, com base na taxa Ptax de segunda-feira, dia 30 de abril. E ainda, a sinalização da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), de que o ciclo de cortes da taxa Selic poderá ter continuidade, pode ter sustentado o fluxo cambial negativo, o que provocou a "abertura" do cupom cambial de curto prazo e teria justificado a ausência do Banco Central no mercado de câmbio nessa quinta-feira.

Nesse contexto, o dólar à vista encerrou com ganho de 0,11%, a R$ 1,8850 no balcão. O desempenho elevou a valorização da moeda ante o real para 3,17% no mês e para 0,86% no ano. No segmento futuro, o dólar para maio/12 terminou a R$ 1,8865 (0,19%), mas durante o dia chegou a se nivelar com a taxa à vista no patamar de R$ 1,8880.

A Bovespa, depois de ficar de lado durante toda a manhã, conseguiu se firmar em terreno positivo e voltar para os 62 mil pontos. A performance vespertina foi atribuída à mudança de rumo das ações da Vale e dos bancos, além do avanço dos papéis da Petrobrás. Essa melhora foi amparada pelo mercado acionário em Nova York, que operou majoritariamente em alta, refletindo os dados das vendas de imóveis nos EUA. O Ibovespa encerrou com ganho de 0,72%, aos 62.198,06 pontos. O giro financeiro foi de R$ 8,071 bilhões. No mês, o índice apura queda de 3,58% e, no ano, ganho de 9,59%. Vale ON subiu 1,47% e a ação PNA, +1,68%. Mais cedo, as ações chegaram a cair cerca de 3%, reagindo ao lucro líquido 43,9% menor no 1º trimestre de 2012 ante igual período de 2011. Na sessão vespertina, no entanto, os investidores preferiram olhar para o mercado acionário externo e foram às compras. Isso também foi possível porque, segundo operadores, o papel da mineradora perto de R$ 40,00 é considerado "barato".

A ata da última reunião do Copom mostrou que o ciclo de baixa da Selic pode continuar, mas deixou o mercado dividido quanto ao tamanho de um próximo corte da taxa. Em meio a diferentes interpretações, os juros futuros de curto prazo recuaram e as taxas longas subiram levemente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.