Dólar sobe e se aproxima de R$ 3,20; Bolsa fecha o sexto pregão em queda

Mercado aguarda 'lista de Janot' e acompanha dados sobre a economia dos EUA , o que motiva a cautela do investidor

O Estado de S.Paulo

09 de março de 2017 | 17h45

O dólar voltou a se aproximar de R$ 3,20 e fechou em alta de 0,85% nesta quinta-feira, 9, aos R$ 3,1945. Com a queda do petróleo no exterior, a moeda seguiu o movimento entre os países emergentes e exportadores de commodities, como peso mexicano, lira turca e rand sul-africano. Já a bolsa brasileira fechou em queda de 0,21%, aos 64.585,23 pontos, completando o sexto pregão em baixa.

 

 

Os agentes seguem monitorando a cena política, na espera pela divulgação da chamada "lista de Janot", e os esforços do governo de fazer prevalecer a proposta integral da reforma da Previdência. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reforçou discurso nesse sentido ao participar nesta manhã em São Paulo do Fóruns Estadão, que trata da reforma.

No cenário externo, a queda na cotação do petróleo somada ao sentimento de cautela dos investidores pelo relatório do mercado de trabalho dos Estados Unidos (payroll), que será divulgado sexta-feira, 10, impulsiona a divisa dos EUA ante a do Brasil.

Vaivém. A perspectiva de melhora na economia brasileira e do avanço das reformas no Congresso, principalmente a da Previdência, fizeram com que a moeda americana caísse de cerca de R$ 3,30 no início de janeiro para R$ 3,05 no fim do mês passado, a menor cotação em quase dois anos. 

No entanto, as incertezas aumentaram quanto ao cenário político e, no exterior, há a expectativa de que o BC dos EUA inicie na reunião do fim deste mês um ciclo de aperto em sua taxa básica de juros. Essa visão têm inspirado a cautela dos investidores e se refletindo em um movimento de saída de capital estrangeiro do País, o que também contribui para alta do dólar.

Lista de Janot. A tensão em torno da divulgação das delações premiadas dos 78 executivos da Odebrecht chegou ao mercado financeiro e serviu de combustível para apostas. Há expectativa de que nos próximos dias o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhe ao Supremo Tribunal Federal (STF) o material da investigação com base nas denúncias feitas pela empreiteira.

A movimentação de hoje do mercado parece um tanto precipitada, já que há um trâmite relativamente extenso a ser seguido desde o encaminhamento do material da PGR ao Supremo - que vem sendo chamado de "a nova lista de Janot" - até a sua efetiva divulgação. A começar pela própria quebra de sigilo, que irá depender da avaliação do ministro Luiz Edson Fachin, relator do processo no STF. São 950 depoimentos de executivos e ex-executivos, com tempo de duração ainda desconhecido. Sabe-se que há depoimentos que duraram quatro horas e outros, como o de Marcelo Odebrecht, que se estendeu por mais de um dia.

Janot revelou a interlocutores a intenção de pedir que o sigilo do conteúdo das delações seja derrubado depois do encaminhamento ao STF. Todos os pedidos serão analisados por Fachin, que substituiu Teori Zavascki - morto em janeiro em um acidente aéreo - no caso.

Se a solicitação de Janot for atendida, as revelações feitas pela Odebrecht serão conhecidas quando Fachin abrir os inquéritos ou encaminhar à Justiça Federal de outros Estados trechos de investigação. Uma parte do material será mantida em segredo, nos casos em que se avaliar que a divulgação pode prejudicar o trabalho de investigação.

Devido à grande especulação em torno dos possíveis nomes citados pelos executivos da Odebrecht, uma parte dos investigadores envolvida no caso considera que a divulgação do material é importante em nome da "segurança institucional". Mas, a própria divulgação será uma tarefa complexa para a assessoria do STF, que já se prepara para tentar dar agilidade operacional ao caso. /COM DENISE ABARCA E BEATRIZ BULLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.