Carlos Severo/Fotos Públicas
Carlos Severo/Fotos Públicas

Dólar sobe pela 3ª vez consecutiva e fecha cotado a R$ 3,88

Cenário externo e a cautela em torno da política no Brasil conduziram os negócios; Bolsa terminou o dia com recuo de 1,44%

Claudia Violante, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2015 | 17h59

O dólar somou nesta segunda-feira, 14, a terceira sessão consecutiva em alta em relação ao real, sendo que durante o dia ele chegou a ultrapassar os R$ 3,92. O cenário externo e a cautela em torno da política no Brasil conduziram os negócios, embora, à tarde, o avanço tenha perdido força em sintonia com o exterior. A Bovespa também caiu pelo terceiro pregão seguido, retornando ao patamar de 44 mil pontos. A agenda carregada na semana e a decepção com as manifestações pró-impechment conduziram os negócios.

O dólar em alta de 0,28%, aos R$ 3,8839, e acumulou 3,52% em três dias. Na mínima, marcou R$ 3,8618 e, na máxima, R$ 3,9235. No mês, sobe 0,18% e, no ano, avança 46,07%. 

Pela manhã, o avanço da moeda foi sustentado pelas preocupações em relação à crise política em Brasília e o avanço do dólar ante várias divisas no exterior. Ao longo da sessão, entretanto, o ambiente mudou e a moeda norte-americana enfraqueceu lá fora. Além da expectativa em torno da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), na quarta-feira, os investidores reagiram ao fortalecimento do petróleo tanto em Nova York quanto em Londres.

Já o Ibovespa terminou o dia em baixa de 1,14%, aos 44.747,31 pontos. Na mínima, marcou 44.531 pontos (-1,62%) e, na máxima, 45.258 pontos (-0,01%). Em três pregões, recuou 2,95%. No mês, acumula perda de 0,83% e, no ano, recuo de 10,52%. O giro financeiro totalizou apenas R$ 4,354 bilhões, o menor desempenho do mês.

A ação do estrangeiro foi fundamental para a queda desta segunda-feira, estimulada ainda pela decepção dos agentes com as manifestações de ontem. Para os próximos dias, o mercado aguarda, entre outras coisas, a decisão, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), sobre o andamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, além do resultado do encontro de política monetária do Federal Reserve, ambos na quarta-feira.

Hoje, dados positivos conhecidos na China no final de semana ajudaram Vale a subir, bem como a valorização do preço do minério no exterior. Vale ON avançou 2,05% e Vale PNA, 2,92%, esta a maior alta do Ibovespa, seguida por BradesPar PN (+2,61%) e Qualicorp ON (+2,10%).

Petrobrás, ao contrário, terminou em baixa, a despeito da alta do petróleo na Nymex. Petrobrás ON caiu 0,90% e PN, 0,55%.

O setor financeiro também teve queda firme, com BB ON registrando a maior perda do setor, de 4,48%. Itaú Unibanco PN recuou 2,36%, Bradesco PN, 1,78%. Santander unit subiu 1,21%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.