Dólar supera os R$ 3 em dia instável

O dólar comercial bateu R$ 3,00 quando o mercado mostrava o ápice de seu nervosismo com rumores sobre pesquisas eleitorais. O Ibope vai anunciar o resultado de seu último levantamento somente hoje à noite, mas nas mesas de operações circulavam vários números. De todos, os que mais assustavam os investidores eram referentes ao segundo turno. Os boatos apontavam que num embate entre Ciro e Lula, o primeiro sairia vitorioso com vantagem. Nos números do primeiro turno, o dado desanimador seria a taxa atingida por Serra, que teria caído ainda mais.Os investidores estão mostrando que uma possível vitória de Ciro desagradaria mais do que ter Lula como presidente. Segundo operadores, o candidato da Frente Trabalhista teria atacado demais os banqueiros e os bancos e isso está causando desconforto. Para o mercado de câmbio, não agradaram também as últimas declarações de Ciro sobre as contas CC5, usadas para remessas internacionais de não-residentes no Brasil. O candidato falou que seria rigoroso com esse mecanismo que, segundo ele, serve para remessas ilegais.O comportamento do mercado externo também ajudou o dólar a chegar à marca de R$ 3,00. Depois da alta de ontem nas bolsas dos EUA, alguns alimentavam a esperança de que pudesse haver o início de uma recuperação externa. Se isso se confirmasse, a tendência seria o dólar, no Brasil, corrigir para baixo. Ocorreu exatamente o contrário, sobretudo na Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York -, que registra queda forte.O momento ainda é de forte instabilidade, prova disso foi a notícia de investigação dos balanços da AOL Time Warner por fraude. Até 14 de agosto, quando presidentes de 945 grandes empresas norte-americanas terão de confirmar os dados contábeis passados sob pena de investigação criminal, o suspense quanto a novos escândalos e perdas inesperadas continua.MercadosÀs 15h, o dólar comercial estava sendo vendido a R$ 3,0200; na cotação máxima do dia, em alta de 2,51% em relação às últimas operações de ontem. Ao longo do dia, o valor mínimo negociado foi de R$ 2,9600. Com o resultado apurado agora, o dólar acumula uma alta de 30,40% no ano e de 7,09% em julho.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 23,050% ao ano, frente a 22,100% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 apresentam taxas de 27,500% ao ano, frente a 27,200% ao ano negociados ontem. O risco país do Brasil, diferencial entre juros de títulos correspondentes do País com os norte-americanos, chegou a 1.881 pontos, o equivalente a 18,81 pontos porcentuais.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 3,84% em 9.555 pontos e volume de negócios de cerca de R$ 356 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 19,65% em 2002 e de 14,25% só em julho. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, apenas 3 apresentaram alta. O principal destaque são os papéis da Globocabo PN (preferenciais, sem direito a voto), que caíram 15,52%.Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - apresenta queda de 1,18% (a 8094,6 pontos), e a Nasdaq cai 4,02% (a 1238,31 pontos). O euro opera em alta de 0,54%; sendo negociado a US$ 1,0003. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, em queda de 0,53% (363,01 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.