Dólar tem maior queda do ano e fecha abaixo de R$1,80

O dólar teve nesta segunda-feira a maior queda desde 1o de dezembro frente ao real, influenciado pelo comportamento do mercado internacional de câmbio e pela forte alta das commodities.

SILVIO CASCIONE, REUTERS

29 de março de 2010 | 16h49

A moeda norte-americana caiu 1,69 por cento, para 1,799 real. No mês, o dólar acumula queda de 0,44 por cento.

No momento em que o mercado local fechava, o dólar tinha baixa de 0,45 por cento ante uma cesta com as principais divisas, o índice Reuters-Jefferies de commodities subia 2 por cento e o Ibovespa tinha alta de 1,6 por cento.

"O dólar não está está baixando só em relação ao real", disse o gerente de câmbio de um banco nacional, que preferiu não ser identificado.

O principal motivo para o otimismo no mercado internacional era a emissão de um bônus de sete anos pela Grécia. Foi a primeira operação do tipo feita pelo país após o anúncio de um plano de ajuda financeira por integrantes da zona do euro.

A intensidade da queda do dólar nesta sessão anulou a alta de 1,10 por cento de sexta-feira, quando o mercado local divergiu do cenário global principalmente por causa de ajustes de bancos e investidores estrangeiros.

O volume de operações no mercado à vista superou 4 bilhões de dólares, de acordo com dados parciais da clearing (câmara de compensação) da BM&FBovespa. Nas últimas três sessões, o volume ficou por volta de 2 bilhões de dólares.

CENÁRIO EXTERNO E PERSPECTIVA DE FLUXO

O movimento também restaurou o que o diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, vê como a principal influência para a taxa de câmbio atualmente: o cenário global de risco.

"Ao contrário do que pode indicar o senso comum, o fluxo cambial não forma a taxa de câmbio... A variação do câmbio se deve à percepção de risco da economia global", disse Mendes em evento na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Ele ainda classificou o real como uma "commodity global" em razão da sua reação a cenários de risco.

O fluxo cambial em março está negativo em 2,345 bilhões de dólares, segundo dados referentes até o dia 19. No período, a moeda caiu 1,55 por cento.

Segundo Mendes, responsável pelos leilões de compra de dólares pelo BC, a maior influência do fluxo sobre a cotação se dá ainda antes dele se concretizar. Com a perspectiva de ingressos ou de saídas, o mercado se antecipa e abre posições compradas ou vendidas .

Desde o início de março, agentes de mercado têm dito que bancos estão antecipando entradas previstas, vendendo dólares ao BC e abrindo posições vendidas em moeda estrangeira. Segundo dados do BC, os bancos tinham no dia 18 3,356 bilhões de dólares em posições vendidas.

Esta sessão reservou mais anúncios referentes a possíveis entradas. O Santander Brasil deve captar pelo menos 500 milhões de dólares em uma emissão de bônus de cinco anos, de acordo com o IFR, serviço de informações financeiras da Thomson Reuters. Além disso, a Júlio Simões Logística pode movimentar no curto prazo até 1,036 bilhão de reais em uma oferta primária de ações.

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.