Dólar tem trégua e cai a R$ 1,84 com ajuda do BC e exterior

Depois de uma escalada agressiva, o dólar despencou quase 4% ontem, beneficiado por um movimento global de abrandamento na aversão ao risco e também por indicações de que o Banco Central (BC) está disposto a intervir no mercado, garantindo liquidez sempre que for necessário. O dólar balcão terminou cotado a R$ 1,8420, em queda de 3,56%. No mercado futuro, o dólar outubro de 2011 fechou em baixa de 4,11%, a R$ 1,831. A sexta-feira foi de recuperação das moedas em geral frente à divisa norte-americana, influenciada por rumores de que o Banco Central Europeu (BCE) está disposto a injetar liquidez ilimitada no sistema financeiro. Aqui, além desse movimento global, a queda do dólar foi potencializada por declarações do presidente do BC, Alexandre Tombini, que está em Washington para a reunião do FMI, e pelos efeitos da intervenção da autoridade monetária no dia anterior, vendendo dólar no mercado futuro. Apesar dessa queda de ontem, a moeda dos EUA se valorizou 6,47% na semana e sobe 16,22% no mês.

O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h09

O dólar mais comportado, as declarações de Tombini, de que o risco de recessão global está maior agora, e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que continua perseguindo um crescimento do PIB de 4% para 2011 sustentaram a queda forte das taxas projetadas pelos juros futuros.

A Bovespa completou ontem uma semana no vermelho, período no qual saiu dos 57 mil pontos para os 53 mil. O pregão dessa sexta-feira foi bem volátil, em razão do noticiário mais fraco no exterior e da ausência de indicadores. O índice à vista cedeu 0,09%, aos 53.230 pontos, e acumulou, na semana, queda de 6,95%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.