Dólar volta a cair e Bolsa sobe

A Argentina e a reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom) concentram as atenções dos investidores hoje. O dólar voltou a subir no início do dia, mas as cotações já recuaram. Às 11h15, a moeda norte-americana era vendida a R$ 2,5420, com queda de 0,51% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 0,11%. No mercado de juros, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,500% ao ano, frente a 20,370% ao ano ontem. A situação argentina vem piorando dia a dia. Hoje a taxa de risco do país chegou a 3.157 pontos-base. O governo iniciou nesta semana uma operação de troca de títulos da dívida com juros anuais entre 11% e 15% por papéis com taxas de 15% ao ano. O presidente Fernando De la Rúa espera a adesão de fundos de pensão e bancos em um total de US$ 30 bilhões. O prazo final para a adesão, antes determinado para a próxima sexta-feira, deve ser ampliado em função do feriado norte-americano amanhã - Dia de Ação de Graças.Internamente, a expectativa dos analistas para esta quarta-feira é que o Copom decida pela manutenção da Selic, a taxa básica de juros da economia, em 19% ao ano. Isso porque os índices de inflação vêm apresentando alta nos últimos dias, o que é provocado, principalmente, pela alta do dólar. No início desta manhã, esta expectativa foi reforçada pela divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP no município de São Paulo. O Índice registrou uma alta de 0,90% na segunda quadrissemana de novembro, percentual um pouco maior do que o da última pesquisa, quando o IPC foi de 0,85%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.