Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dólar volta a fechar em níveis mais baixos dos últimos 8 anos

Moeda fechou a R$ 1,7240, em queda de 0,52%. Trata-se do patamar mais baixo desde 23 de março de 2000

Agência Estado,

20 de fevereiro de 2008 | 16h42

O dólar comercial voltou a fechar nos níveis mais baixos desde março de 2000. No encerramento dos negócios, a moeda norte-americana fechou a R$ 1,7240, em queda de 0,52%. Trata-se do patamar mais baixo desde 23 de março de 2000, quando o dólar fechou a R$ 1,7220. Na terça-feira, a moeda fechou cotada a R$ 1,7330 - já era o patamar mais baixo há quase oito anos, já que o patamar mais baixo até então foi verificado em 24 de março de 2000, quando o dólar fechou a R$ 1,7320. O dia no mercado acionário começou pesado com dados da economia americana. A inflação ao consumidor nos Estados Unidos (CPI) subiu mais do que o esperado em janeiro. A alta foi de 0,4% e a previsão era de 0,3%. O núcleo da inflação (que leva em conta preços sem oscilação mais forte) avançou 0,3%, superando também a estimativa de 0,2%.  O outro dado que causou apreensão entre investidores é que o KKR Financial Holdings, filial do grupo de private equity KKR, adiou o pagamento de bilhões de dólares de commercial papers (títulos de empresas negociados no mercado internacional) pela segunda vez e começou uma nova rodada de negociações de reestruturação com seus credores sobre dívida vencida na sexta-feira.  Com menor influência entre os investidores, mas também como um fator negativo está a informação de que o número de construções de residências iniciadas em janeiro subiu 0,8% para a taxa anualizada de 1,012 milhão. Analistas previam alta de 1,4% para 1,02 milhão. Contudo, apesar da alta menor do que o esperado, foi o primeira avanço do dado em três meses. Ainda assim, o número de permissões para novas construções - considerado um indicador de atividade futura do setor - diminuiu 3% em janeiro para a taxa anual de 1,048 milhão. À tarde, o banco central dos Estados Unidos (Fed) anunciou que revisou para baixo sua previsão de crescimento para 2008, mesmo após os cortes no juro básico de janeiro. Na ata da última reunião do Fed, divulgada nesta quarta-feira, a instituição informa que já reduziu a previsão de crescimento do País em 2008 em 0,5 ponto porcentual - de 1,3% a 2%. A previsão anterior foi feita em 20 de novembro de 2007, quando a perspectiva era de um PIB entre 1,8% e 2,5%. As bolsas americanas operam em alta. O índice Dow Jones sobe 0,85%. A Nasdaq ganha 0,92%. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 2,22%, às 17h08.

Tudo o que sabemos sobre:
Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.