Dólar zera ganhos e fecha estável, a R$ 3,24

Dólar zera ganhos e fecha estável, a R$ 3,24

Moeda subiu durante quase todo o dia, mas devolveu a valorização no fim do pregão com a entrada de investidores estrangeiros

Clarissa Mangueira, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2015 | 11h04

Texto atualizado às 17h20

Depois de subir praticamente por toda a sessão, o dólar devolveu os ganhos na última hora de negociação e acabou fechando estável. Profissionais do mercado atribuíram o enfraquecimento da moeda ao movimento de entrada de compradores estrangeiros na Bolsa, que no câmbio ganhou tração no final da sessão. No final do dia, o dólar à vista fechou estável, cotado a R$ 3,2460. 

O dólar abriu o dia em alta frente o real, impulsionado pelas preocupações políticas e economias no ambiente local. Segundo operadores, a recuperação do dólar em relação a algumas divisas de países emergentes e ligadas a commodities, como o peso chileno e o peso mexicano, também fornecia suporte para a valorização da moeda americana no câmbio local.

No meio da manhã, o dólar renovou máximas, contrariando o enfraquecimento externo da divisa norte-americana, favorecido pelo sentimento de cautela devido à espera pelo anúncio da reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), amanhã, e pelas dificuldades para implementação do ajuste fiscal no Congresso. Alguns profissionais também citaram que a valorização da moeda era resultado de temores sobre um rebaixamento do rating do país pela Fitch e da ausência de uma sinalização do Banco Central sobre o futuro dos leilões de swaps cambiais.

As preocupações sobre o rating do Brasil ressurgiram depois de a agência de classificação de risco Fitch divulgar um relatório em que ressalta que o Brasil está em recessão desde meados de 2014. A Fitch prevê uma queda de 0,4% no Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 2015. No ano seguinte, o País deverá ter crescimento de "apenas" 1,5%, afirmou a agência.

O dólar manteve-se em alta até quase o fim do pregão, mas passou a recuar na última meia hora dos negócios, tanto no mercado futuro quanto no segmento à vista, renovando as cotações mínimas do dia. Operadores consultados pelo Broadcast destacaram o fato de a Bolsa estar recebendo recursos de estrangeiros desde mais cedo. 

"Isso aparentemente foi tomando corpo no final (da sessão de balcão). Na parte da manhã, o investidor de câmbio ficou um pouco mais cauteloso, trabalhando em cima dos problemas políticos e econômicos do Brasil. Agora, se ajusta à melhora da Bolsa, em meio à leitura de que as ações brasileiras estão, de fato, atraindo compradores", afirmou um operador.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.