Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dona da Amil compra Catamaran por US$ 12,8 bilhões

Em busca de escala parauma de suas subsidiárias, UnitedHealth acertou a aquisição de rede de benefícios de farmácias

O Estado de S.Paulo

31 de março de 2015 | 02h04

A seguradora norte-americana de saúde UnitedHealth, dona da Amil no Brasil, acertou ontem a compra da Catamaran, quarta maior gestora de benefícios de medicamentos dos Estados Unidos, em um acordo estimado em cerca de US$ 12,8 bilhões.

Esse tipo de gestora administra benefícios de medicamentos para empregadores e planos de saúde e negociam grandes pedidos, ajudando farmácias a conseguir preços melhores dos laboratórios farmacêuticos.

Pelo acordo, que as empresas esperam concluir no quarto trimestre deste ano, a Catamaran será incorporada pela OptumRx, unidade da UnitedHealth e terceira maior do setor. A oferta feita pela seguradora equivale a US$ 61,50 por ação e representa um prêmio de 27% sobre o preço de fechamento do papel da Catamaran na sexta-feira. No ano passado, a Catamaran teve receita de US$ 21,58 bilhões, contra US$ 31,98 bilhões da OptumRx.

Objetivo. A aposta das duas empresas é ganhar escala para negociar preços favoráveis com laboratórios farmacêuticos, em um cenário em que empregadores estão buscando o corte de custos. A ideia é brigar de forma mais incisiva com as duas maiores do mercado, a Express Scripts e a CVS Health Corp.

Os gastos com medicamentos vendidos por prescrição aumentaram mais de 12% no ano passado nos EUA, o maior aumento anual em mais de uma década, de acordo com um relatório da Express Scripts.

O negócio, se concluído, vai consolidar ainda mais um setor que tem experimentado uma onda de fusões nos últimos anos. Com a compra da Catamaran pela UnitedHealth, as três maiores companhias representariam cerca de 75% do mercado, de acordo com estudo realizado pelo JP Morgan.

O acordo "faz sentido para nós, mas admitimos que veio muito antes do que esperávamos", disse o analista Brian Tanquilut, da consultoria Jefferies, em relatório.

"Sempre havíamos visto a Catamaran como um ativo atrativo para companhias buscando escala no setor de administração de benefícios de farmácia como a Optum ou a Walgreens, mas esperávamos que a Catamaran expandisse o negócio muito mais antes de ser vendida", disse. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. PauloAmilCatamaran

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.