Dona da Seara pede registro para IPO

Abertura de capital da JBS Foods pode movimentar R$ 5 bi; empresa deverá ser a primeira a estrear na BM&FBovespa neste ano

O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2014 | 02h04

A JBS Foods, unidade de alimentos processados da JBS, pediu ontem registro para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), a primeira de uma empresa brasileira em 2014, que pode movimentar cerca de R$ 5 bilhões, segundo uma fonte.

A empresa informou esperar que suas ações sejam negociadas no Novo Mercado, nível mais alto de governança corporativa da BM&FBovespa.

A operação inclui ofertas primária (ações novas) e secundária (papéis detidos por atuais acionistas) no Brasil e com esforços de colocação no exterior, informou a JBS em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A emissão tem potencial de movimentar cerca de R$ 5 bilhões, de acordo com uma fonte a par do assunto, que falou na condição de anonimato, avaliando que o montante a ser levantado leva em consideração o valor estimado da unidade, de aproximadamente R$ 20 bilhões. Procurada, a JBS disse que não comenta o assunto.

Novata. A JBS Foods é a mais nova unidade de negócios do grupo, criada após a empresa da família Batista comprar a Seara Alimentos da Marfrig, um negócio de R$ 900 milhões, fechado em junho do ano passado. A Seara tem marcas como Fiesta, Doriana, Rezende, LeBon e Frangosul, além da própria Seara.

A unidade também engloba as operações da JBS Aves.

A JBS Foods teve receita líquida de R$ 2,8 bilhões no primeiro trimestre, recuo de 3,9% sobre o trimestre imediatamente anterior. O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 379,8 milhões, alta de 67,1% na mesma comparação.

A oferta ocorre num momento de desconfiança dos investidores em relação ao cenário macroeconômico brasileiro.

No final de março, a companhia aérea Azul desistiu da preparação para uma oferta de ações, juntando-se a empresas como Ouro Verde, Votorantim Cimentos e Unidas, que já desistiram de realizar IPOs na Bovespa este ano.

A única oferta deste ano foi da Oi, mas em uma emissão subsequente, não uma oferta inicial, de cerca de R$ 15 bilhões, que faz parte da fusão da empresa com a Portugal Telecom.

Outra fonte próxima à JBS afirmou, no mês passado, que a empresa já havia contratado cinco bancos de investimento para gerir a transação. Mais instituições poderiam ser adicionadas ao grupo.

Aquisição. Maior frigorífico em receita do mundo, o JBS tem ampliado suas áreas de atuação.

No fim de 2013, o grupo anunciou a compra da indústria alimentícia Massa Leve por R$ 260 milhões, aumentando sua participação em segmentos de maior valor agregado. A Massa Leve - que atua na produção e venda de pratos prontos, pizzas congeladas, massas frescas, tortas, pão de queijo, folhados e sanduíches - também ficará sob a gestão da JBS Foods.

Sediada em Rio Grande da Serra (SP), a Massa Leve tem um faturamento estimado para este ano de R$ 400 milhões. A empresa tem ampla presença no varejo e é a maior fornecedora de marcas próprias das principais redes supermercadistas do País nesse segmento. "Com a aquisição, aceleramos a estratégia de crescer em produtos de valor agregado", disse, à época, Wesley Batista, presidente global da JBS. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.