Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Dona de casa compra quantidade menor

Itens são substituídos para driblar inflação

Márcia De Chiara, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

26 de setembro de 2007 | 00h00

O consumidor já sentiu no bolso o impacto dos aumentos dos preços dos alimentos e diminuiu as compras. ''''Reduzi as massas e os molhos'''', diz a empregada doméstica Noemia Teles Miranda Machado, de 41 anos, com renda de R$ 900 mensais.Apesar de morar sozinha e ter casa própria, ela conta que os dois netos são vizinhos e a visitam com freqüência. ''''Preciso ter iogurtes para as crianças.'''' Por isso, os gastos mensais com alimentação são elevados, e hoje estão em R$ 350. No ano passado, com os preços mais baixos, ela desembolsava R$ 250. Em 12 meses até agosto, o leite e os derivados subiram 33,7%; a carne bovina, 12,8% e o café, 18,1%, segundo dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).A redução nos volumes comprados associada à aproximação do período de safra, época de maior produção dos produtos agropecuários, já mostrou uma queda no ritmo de alta dos preços dos alimentos no curto prazo. No IPCA-15, divulgado na semana passada, e uma prévia do IPCA fechado para setembro,o grupo alimentação desacelerou: subiu 0,87% ante 1,61% em agosto. Mas a variação dos alimentos ainda é o triplo da inflação geral medida pelo índice, que foi de 0,29% para o período.Com renda mensal de R$ 700, a empregada doméstica Francisca da Silva, de 36 anos, reduziu os volumes para frear os aumentos de preços. ''''Se antes comprava cinco litros de leite, agora levo três'''', afirma Francisca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.