Dona do 'Candy Crush Saga' faz pedido de IPO

King, empresa que criou o jogo mais popular do Facebook, quer captar cerca de US$ 5 bilhões

SÃO FRANCISCO, / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS , O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2013 | 02h14

O Twitter não será a única grande novidade do mundo da tecnologia a entrar na bolsa de valores Nasdaq no segundo semestre de 2013. Conforme publicou ontem o jornal inglês The Daily Telegraph, a empresa britânica King.com, criadora do Candy Crush Saga, entrou nesta semana com um pedido de abertura de capital na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), com valor estimado de US$ 5 bilhões.

O pedido da King é bastante similar ao que o Twitter fez no dia 20: ambos foram realizados por meio do formulário S-1, destinado a empresas que têm faturamento anual abaixo de US$ 1 bilhão, que garante confidencialidade ao processo.

Criada em 2003, a King tem hoje cerca de 100 milhões de jogadores únicos por dia em seus produtos. Seu maior sucesso, o Candy Crush Saga, contabiliza mais de 600 milhões de acessos diários apenas em aparelhos móveis e, em março de 2013, superou o FarmVille 2 como o jogo mais popular do Facebook.

Os números são surpreendentes se considerada a simplicidade do jogo, que consiste em um quebra-cabeças, no qual é necessário juntar três elementos iguais (no caso específico, doces, o que explica o título) em linha para somar pontos e avançar de fases - são 485, na versão para Facebook, ou 425, para quem joga em smartphones.

A abertura de capital da King e do Twitter vem em um momento fraco para as ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) de empresas de tecnologia: apenas uma de cada seis aberturas de capital feitas este ano nos Estados Unidos está relacionada a essa área, o que faz do ano o segundo menos ativo desde 1993. Em 1999, no auge da bolha ".com", 69% das aberturas de capital eram de empresas de tecnologia.

Juntas, as 22 empresas de tecnologia que abriram capital em 2013 levantaram US$ 3,4 bilhões - um número baixo segundo os analistas, que consideraram o mercado pouco otimista após a decepção com o IPO do Facebook e o fracasso da Zynga, criadora de jogos bem-sucedidos como o FarmVille, o CityVille e o MafiaWars.

Apesar de já ter negociado com instituições como o JP Morgan, Credit Suisse e Bank of America para realizar seu IPO, a King terá de provar para o mercado que é uma companhia diferente da Zynga. A criadora do FarmVille captou US$ 1 bilhão em sua abertura de capital, em dezembro de 2011, mas não soube renovar seus produtos para plataformas móveis e sofreu desvalorização de 70% desde o IPO. Em junho, a empresa demitiu 18% de seus funcionários, buscando cortar gastos.

O horizonte parece bom para a King: seu mais recente aplicativo, Pet Rescue Saga, é um dos dez mais vendidos em 33 países na App Store, ficando entre o sexto e sétimo lugar nos EUA. O Candy Crush Saga, por sua vez, foi o aplicativo de maior arrecadação no país em setembro.

Na Europa, a King é a segunda desenvolvedora de aplicativos em receita, atrás da finlandesa Supercell.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.