Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

Dono da Cyrela vai à Bolsa buscar R$ 800 mi para escritórios e shoppings

Empresário Elie Horn contratou bancos com o objetivo de reforçar o capital de seu braço de prédios comerciais, a Cyrela Commercial Properties (CCP)

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2019 | 04h00

O empresário Elie Horn contratou bancos para levantar na Bolsa pelo menos R$ 800 milhões para financiar a expansão da Cyrela Commercial Properties (CCP), empresa do grupo voltada para incorporação e administração de prédios comerciais e shoppings. A operação será por meio de oferta pública subsequente de ações da companhia, com a expectativa de venda de 25% ao mercado.

A queda da taxa básica de juros e a expectativa de recuperação da economia ajudaram a atrair investidores para o mercado imobiliário. Criada em 2007, a CCP acredita que há espaço para a retomada dos investimentos. Na cisão de ativos, a Cyrela ficou com os empreendimentos residenciais e a CCP, com os comerciais.

Entre os shoppings centers, a companhia tem em seu portfólio o Cidade de São Paulo, o Shopping D e o Tietê Plaza, na capital paulista, e o Metropolitano Barra, no Rio. Entre suas torres comerciais destacam-se o JK Financial Center e Faria Lima Financial Center, também em São Paulo. Segundo fontes a par do assunto, o foco da CCP é o mercado paulistano, onde vê potencial mais imediato de expansão.

O grupo contratou os bancos Bradesco BBI, que vai coordenar o processo, além de BTG Pactual, Itaú, Morgan Stanley, Safra e XP. As instituições deverão começar o processo de definição dos preços das ações na próxima semana. Com faturamento de R$ 498 milhões em 2018, a empresa tem cerca de 11% de ações em circulação no mercado. Procurada, a CCP não quis conceder entrevista.

Na semana passada, o grupo JHSF, dono do Shopping Cidade Jardim, anunciou que também pretende fazer oferta de ações para expandir seus negócios. BTG e Bradesco também foram contratados para conduzir o processo. O grupo anunciou a assinatura de contratos para expandir, em Nova York, a marca Fasano, focada em gastronomia e hospedagem de luxo. As construtoras Helbor e Trisul também decidiram acessar o mercado financeiro para financiar suas expansões. 

Novo boom

Analistas ouvidos pelo Estado veem esse movimento como um ciclo de virada do mercado imobiliário. Depois de três anos de paralisia, o segmento de prédios comerciais começa a ganhar novo fôlego. Na Faria Lima, principal corredor financeiro do Brasil, a taxa de vacância voltou a cair e novos projetos estão sendo anunciados, com a expectativa de que os preços dos aluguéis aumentem, favorecendo os proprietários.

Coordenadora de projetos da construção da Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), Ana Maria Castelo não vê o movimento como um boom semelhante ao de 2007. “Hoje o cenário é bem diferente. Ainda há incertezas sobre programa habitacional. O FGTS está sendo usado para financiar o consumo. Além disso, o índice de confiança do empresariado mostra um otimismo moderado.”

A queda da taxa básica de juros, segundo ela, é um grande estímulo para atrair investidores para a compra de ações de empresas do mercado imobiliário. “Mas, ao contrário de 2007, os investidores estrangeiros ainda seguem cautelosos.”

Além disso, o programa Minha Casa Minha Vida, que durante anos animou o setor com incentivos do governo federal, hoje vive uma fase bem mais discreta. Nesse sentido, diz a especialista do Ibre/FGV, a demanda por ações neste novo ciclo será por papéis de empresas cujo retorno costuma ser mais alto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.