Grupo Fiat investirá R$ 14 bi na América Latina nos próximos cinco anos

Grupo Fiat investirá R$ 14 bi na América Latina nos próximos cinco anos

Responsável por 54% das vendas na região, Brasil receberá 90% do valor; na lista dos 25 lançamentos – entre renovações de linhas, veículos inéditos e importados – , três serão utilitários-esportivos (SUVs), introduzindo a Fiat no segmento que mais cresce em vendas

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 14h22
Atualizado 25 Junho 2018 | 22h07

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) vai investir R$ 14 bilhões na América Latina nos próximos cinco anos. Mais de 90% do montante será gasto no Brasil, país que reponde por 54% das vendas na região. O grupo fará 25 lançamentos, entre renovações de linhas, veículos inéditos e alguns importados. A marca Fiat terá 15 novidades e a Jeep, 10.

+ Vendas de veículos em junho estão 15% abaixo de maio, diz Anfavea

Na lista dos novos produtos, três serão utilitários-esportivos (SUVs) da Fiat, introduzindo assim a marca italiana na disputa pelo seguimento que mais cresce em vendas no País. Serão pelo menos três modelos, um na faixa dos compactos, um médio e outro de maior porte, “direcionado a famílias”, informa o presidente da FCA na América Latina, Antonio Filosa.

Para a marca americana Jeep, já focalizada nesse segmento, está prevista a produção de outro SUV, mais robusto que a versão de grande porte projetada para a Fiat, que não terá tração nas quatro rodas.

O pacote inclui também versões aventureiras do Argo, produzido em Betim (MG), a renovação do Cronos, feito na Argentina, e uma picape de grande porte com a marca RAM, que será introduzida no País. O veículo está em desenvolvimento e o local de produção ainda será definido e o Brasil estará na disputa.

Com os novos produtos, Filosa quer a FCA de volta à liderança do mercado brasileiro (na soma de vendas das duas marcas), posição que, diz ele, deve ser conquistada ainda este ano.

+ Com greve dos caminhoneiros, até 80 mil carros deixam de ser produzidos

Ele acredita que a Fiat, sozinha, deve voltar ao posto de líder – que ocupou por 14 anos até 2015 – só em 2020, quando tiver uma linha de produtos renovada, inclusive com a chegada dos SUVs. Hoje a marca está em terceiro lugar no ranking.

A disputa será grande pois a General Motors, atual líder em vendas, pretende segurar seu posto também com uma linha renovada e acrescida de SUVs, estratégia similar à da Volkswagen, hoje a segunda da lista.

O plano está incluído no investimento global de ¤ 45 bilhões (cerca de R$ 199 bilhões) anunciado pelo grupo na Itália no dia 1º. Filosa ressalta que o aporte destinado ao Brasil tem como premissa a aprovação do programa Rota 2030, “que pode gerar para o País desenvolvimento ímpar para a indústria automobilística e toda sua cadeia”.

O Rota 2030 é o novo regime automotivo, com benefícios e metas para o setor nos próximos 15 anos. O programa deveria ter entrado em vigor em janeiro, mas está parado nas mãos do governo que já marcou e desmarcou várias datas para o lançamento. A última previsão é de que ocorra nesta semana.

Ao contrário do plano quinquenal anterior, que incluiu a construção da fábrica da Jeep em Goiana (PE), o novo programa terá muito pouco de investimento em ampliação de capacidade. “Isso é o que menos precisamos no momento, pois temos parque instalado com capacidade para mais de 1 milhão de unidades por ano”, diz Filosa.

A fábrica pernambucana, contudo, opera em três turnos e, se o mercado demandar, terá sua capacidade ampliada de 250 mil para 350 mil veículos anuais. O projeto inclui ainda a atração de novos fornecedores nas proximidades da fábrica.

A maior parte do investimento será voltada aos novos produtos, novas tecnologias, automação e maior inserção das fábricas no mundo digital (Indústria 4.0), informa o executivo.

Elétricos. Do plano global, € 9 bilhões serão para eletrificação e automação de modelos da marca. Segundo Filosa, o Brasil poderá importar carros dessa categoria e até produzir, dependendo do que for estabelecido no Rota 2030. Adianta, contudo, ser “apaixonado pelo etanol”, e defende seu uso em carros híbridos e a célula de combustível. 

A FCA deve vender este ano cerca de 700 mil veículos na América Latina, volume que deve chegar a 1 milhão em 2022.

Filosa esteve nesta segunda-feira, 25, com concessionários da Jeep e da Fiat – que vinham demonstrando insatisfação com a falta de SUVs na gama e com a alta das vendas diretas, feitas pela fábrica a frotistas. Avisou que a empresa vai crescer no varejo, mas quer continuar líder em vendas diretas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.