coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Dono da Louis Vuitton desiste de ser belga

Arnault diz ter enviado sinal errado à população

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2013 | 02h18

O bilionário francês Bernard Arnault, proprietário do grupo industrial especializado em artigos de luxo LVMH, anunciou ontem ter desistido dos planos de se transferir para a Bélgica. O empresário, uma das maiores fortunas da França, foi o primeiro grande empreendedor a informar que mudaria de país depois do anúncio do imposto de 75% sobre salários acima de € 1 milhão, então recém-criado pelo governo de François Hollande para durar por dois anos.

O anúncio de que renunciou ao pedido de nacionalidade belga foi feito em entrevista ao jornal Le Monde. Dono da segunda maior fortuna da França (€ 22 bilhões) e de marcas de luxo como Louis Vuitton, Dior e Bulgari, entre outras, o bilionário reconheceu ter "subestimado" a repercussão de sua opção por Bruxelas. Arnault reiterou que não tinha a intenção de transferir seu domicílio fiscal da França, mas entende agora ter enviado o sinal errado à opinião pública em setembro de 2012, quando o anúncio de sua partida foi feito. "Um diretor de empresa deve se concentrar no desenvolvimento econômico, mais do que se dispersar em questões midiáticas que podem prejudicar a imagem da empresa."

Mesmo negando a transferência do domicílio fiscal, o bilionário admitiu que tinha intenções financeiras: a transmissão de seu patrimônio e de sua empresa aos herdeiros, sem os impostos da França. "Tratava-se de proteger melhor a fundação belga que eu criei, com o único objetivo de assegurar a perenidade e a integridade do grupo LVMH em caso de morte e de meus herdeiros não se entenderem."

O caso Arnault eclodiu em setembro de 2012 e despertou reprovação da opinião pública do país. Em sua capa, o jornal Libération, identificado com a esquerda, chegou a publicar a manchete Caia fora, rico idiota, alusão a uma frase do ex-presidente Nicolas Sarkozy, que um dia ofendeu um aposentado que o criticava com a frase Caia fora, pobre idiota.

Depois de Arnault, o ator Gérard Depardieu anunciou a intenção de pedir a nacionalidade belga, mas com o objetivo específico de fugir do imposto de 75% criado pelo governo Hollande. Antes de obter o passaporte, porém, Depardieu recebeu, e aceitou, do presidente da Rússia, Vladimir Putin, a nacionalidade russa e impostos de 17%.

No início do ano, o Conselho Constitucional da França censurou a proposta de Hollande.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.