REUTERS/Jim Urquhart
REUTERS/Jim Urquhart

Dono de corretora de criptomoedas morre e usuários ficam sem acesso a US$ 190 milhões

Gerard Cotten, fundador da QuadrigaCX, morreu enquanto fazia voluntariado em um orfanato na Índia e era a única pessoa com a senha para acesso aos ativos digitais

Reuters

05 de fevereiro de 2019 | 12h06

TORONTO - Cerca de 115 mil usuários que possuíam um total de US$ 190 milhões em criptomoedas tiveram acesso congelado às suas contas da plataforma canadense QuadrigaCX depois que seu fundador, Gerard Cotten - a única pessoa com a senha para acesso aos ativos digitais - morreu repentinamente em dezembro.

Cotten morreu aos 30 anos devido a complicações com a doença de Crohn, enfermidade que provoca inflamação no sistema digestório, enquanto fazia voluntariado em um orfanato na Índia, de acordo com a página do Facebook da Quadriga CX, que anunciou sua morte em 14 de janeiro.

Segundo documentos judiciais, o fundador da empresa era a única pessoa que podia transferir ativos da corretora entre a "carteira fria" da empresa — tipo de sistema de armazenagem offline —  e seu servidor online. Para evitar roubos de hackers, o total de criptomoedas disponíveis no servidor online era baixo. 

O laptop pessoal de Cotten era criptografado. Sua viúva, Jennifer Robertson disse que consultou um especialista que teve "sucesso limitado em recuperar algumas moedas e algumas informações" dos outros computadores e telefones celulares de Cotten, mas a maioria permanece intocada em seu computador principal. A empresa não tinha contas em bancos e usava serviços terceirizados para administrar pagamentos e saques.

Devido ao episódio, a plataforma, que permite a negociação em diversos tipos de criptomoedas, como Bitcoin, Litecoin e Ethereum, entrou com pedido de proteção ao credor na justiça canadense na semana passada.

A QuadrigaCX possui 363 mil usuários registrados e deve um total de US$ 190 milhões a 115.000 usuários afetados, de acordo com um depoimento apresentado pela viúva de Cotten, em nome da empresa.

Jennifer Robertson disse que não estava envolvida nos negócios de Cotten enquanto ele estava vivo e não sabia a senha ou chave de recuperação. “Apesar das repetidas e diligentes buscas, não consegui encontrá-las em nenhum lugar”, disse ela.

Os problemas de Quadriga destacam os desafios únicos das criptomoedas, disse Dean Skurka, vice-presidente da plataforma rival Bitbuy.ca, em entrevista à Canadian Broadcasting Corp. "Isso realmente destaca a necessidade de o governo agir e regular as trocas de criptomoedas", disse Skurka.

Robertson também disse em seu depoimento que tem recebido ameaças online e "comentários caluniosos", incluindo perguntas sobre a natureza da morte de Cotten e se ele está realmente morto. Após o episódio, especulações e teorias têm sido criadas em fóruns de discussão na internet, que chegaram a relatar movimentações nas criptomoedas mesmo após a morte de Cotten, o que inviabilizaria a teoria apresentada pela empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.