Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dono do Malba quer vender Miami para brasileiros

Conhecido no País por ter arrematado o 'Abaporu', colecionador argentino investe na construção de imóveis de luxo nos EUA 

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2014 | 21h16

Ele ficou conhecido no Brasil por ter comprado um dos mais valiosos quadros brasileiros, o Abaporu, da pintora Tarsila do Amaral. Arrematado por cerca de US$ 1,5 milhão, em 1995, pelo argentino Eduardo Costantini, o Abaporu é símbolo da pintura modernista do Brasil e uma das telas brasileiras mais valorizadas do mundo. Agora, o argentino voltou aos holofotes. Desta vez, para atrair a atenção dos brasileiros bem-nascidos para Miami.

Proprietário da Consultatio, companhia de empreendimentos imobiliários, o colecionador de arte e fundador do Museu de Arte Latino-americana de Buenos Aires (Malba) está investindo na construção de imóveis de altíssimo padrão. Seus empreendimentos estão atraindo a atenção de latino-americanos, sobretudo brasileiros, que se dispõem a pagar até US$ 30 milhões em uma cobertura de frente para o mar.

"Nossos clientes são pessoas com alto poder aquisitivo, globalizadas, com propriedades em grandes metrópoles", disse Costantini ao Estado, em entrevista por telefone.

Entre 2009 e 2012, Costantini investiu US$ 300 milhões na compra de terrenos para a construção de apartamentos e casas de luxo em Miami.

Seu último empreendimento, o Oceana Bal Harbour, foi lançado em dezembro passado, está sendo construído na última área de frente para o mar disponível em Miami, segundo o empresário. O terreno foi adquirido em 2012 por US$ 220 milhões. O valor geral de vendas é estimado em US$ 1,3 bilhão. As obras serão entregues em 2016.

Esse condomínio conta com 240 residências em um edifício de 28 andares, em duas torres gêmeas, com unidades de um, dois, três e quatro dormitórios, com terraços e vista para o mar, entre 151 metros quadrados até 536 metros quadrados, além de coberturas duplex. Os imóveis variam de US$ 2 milhões a US$ 30 milhões (coberturas). Foi vendido 40% do projeto. Desse total, 20 famílias brasileiras adquiriram o projeto.

Segundo Costantini, o projeto da Oceana terá esculturas do artista americano Jeff Koons. O artista plástico foi responsável pela última capa do álbum da cantora Lady Gaga. "Investimos US$ 14 milhões nessas obras de arte, que ficarão na área de lazer e interna para os condôminos, uma espécie de museu vip. "

O primeiro investimento feito pelo empresário argentino em Miami foi o projeto Oceana Key Biscayne. O terreno foi comprado em 2009 por US$ 80 milhões. O projeto conta com 142 unidades residenciais e 12 vilas. Os preços das unidades variam de US$ 2 milhões a US$ 17 milhões (coberturas), com valor geral de vendas estimado em US$ 650 milhões. Há apenas cerca de 10 unidades disponíveis.

Novo projeto. Segundo Costantini, a Consultatio já está prospectando novos projetos imobiliários nos Estados Unidos. A expectativa é investir entre US$ 200 milhões e US$ 300 milhões em terreno nesse terceiro empreendimento. "Ainda estamos analisando onde compraremos o terreno. Pode ser em Miami ou Nova York", afirmou o empresário, que descarta adquirir terrenos no Brasil por considerar os valores muito altos. "O metro quadrado na avenida Faria Lima está muito caro. O Rio de Janeiro também está impensável."

Com receita de US$ 404 milhões em 2013, a Consultatio investe em empreendimentos imobiliários na Argentina desde o início dos anos 90. A companhia está erguendo o projeto Catalinas, um edifício corporativo que deverá ser entregue no último trimestre do ano que vem. A companhia também tem uma divisão de gestão de recursos de terceiros (asset management).

Colecionador. Um dos maiores colecionadores de obras latino-americanas, Constantini disse que não negocia seu acervo. "Minha coleção não está à venda. "

O colecionador fundou o Malba em 2001, no bairro de Palermo, em Buenos Aires, o museu conta atualmente com um acervo de quase 500 obras, boa parte de artistas latino-americanos. Nascido em 1946, o empresário, formado em economia, começou sua coleção aos 23 anos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.