GABRIELA BILÓ / ESTADAO
GABRIELA BILÓ / ESTADAO

Doria anuncia fundo imobiliário e pagamento de tributos via cartão

Governador João Doria anunciou projetos de desestatização no Estado de São Paulo

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2019 | 14h16

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta sexta-feira, 18, três projetos de desestatização de sua gestão frente ao governo paulista. Dando início ao plano de se desvencilhar de cerca de 22 mil imóveis atualmente sem utilidade, o Estado começará a comercializar na bolsa, em março, seu primeiro fundo imobiliário. Com potencial de até R$ 1 bilhão, o primeiro fundo tem um portfólio de 264 imóveis.

Para 2019, o governo espera receitas de cerca de R$ 300 milhões com a venda desses ativos imobiliários, estimou o secretário da Fazenda do Estado, Henrique Meirelles. Os recursos levantados serão investidos nas áreas prioritárias ao governo, como saúde e educação, destacou a administração paulista.

Doria também anunciou nesta tarde que todos os tributos paulistas poderão ser pagos via cartão de crédito - projeto antecipado pela Coluna do Broadcast na semana passada. Segundo Meirelles, o Estado está em fase final de negociação com os bancos para assegurar o recebimento "o mais rápido possível" dos recursos e também para possibilitar o parcelamento dos tributos no cartão.

O governador lançou ainda parcerias público-privadas para operação de quatro presídios que já estão em construção no Estado. A partir de agora, toda a expansão do sistema prisional se dará via PPPs, e o governo já pretende se associar ao setor privado para construção de três novos complexos, afirmou Doria.

Os 171 presídios já existentes no Estado de São Paulo e outros oito que estão em construção continuarão sob gestão estatal, garantiu a administração paulista.

Segundo o governo, a modelagem para as PPPs dos presídios será atualizada com experiências ouvidas de Minas Gerais e dos Estados Unidos. A ideia é lançar ao mercado um edital para consulta pública ainda em 2019 e o projeto das PPPs será integralmente concluído nos quatro anos de sua gestão, assegurou Doria.

Mais conteúdo sobre:
João DoriaSão Paulo [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.