Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Doria comemora visita a Davos em festa no Vale do Anhangabaú: 'O Brasil voltou'

Prefeito afirma que foi procurado por investidores indianos interessados nos projetos de privatização da Prefeitura

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2018 | 16h43

Já de volta de sua viagem à Suíça, onde integrou a comitiva brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, o prefeito de São Paulo, João Doria, disse que o saldo de excursão foi positivo. "O Brasil voltou", afirmou a jornalistas nesta quinta-feira, 25, durante evento que comemora o aniversário de 464 anos da capital paulista, no Vale do Anhangabaú.

+ LEIA COBERTURA COMPLETA SOBRE O FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL EM DAVOS

"O Brasil estava fora do jogo econômico mundial há quatro anos. Este ano, voltou com força, não apenas pela presença do presidente da República, mas de vários outros ministros, especialmente o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, muito saudado", disse Doria.

Para ele, o interesse pelo País demonstrado pelas autoridades e empresários em Davos é uma indicação de que o mercado brasileiro passou novamente a despertar a atenção da comunidade internacional. "Gradualmente, (o Brasil) pode voltar a ter o destaque que teve no passado. Mas, para quem estava totalmente fora do jogo, foi um despertar interessante e Davos, como maior centro de debates empresariais e políticos do mundo, deu uma demonstração muito clara de que o Brasil está de volta ao jogo."

+ Tom em Davos é de euforia com economia, mas há ilhas de preocupação

Indianos. No que tange os interesses paulistanos, o prefeito relatou ter conversado com investidores interessados nos projetos de desestatização da Prefeitura. "Lá, em Davos, nos procuraram várias empresas da Índia demonstrando interesse em investimentos (tecnologia, serviços relacionados à tecnologia e serviços médicos) não somente em São Paulo, mas no Estado de São Paulo e no Brasil", comenta. 

+ Para Doria, América Latina caminhava para ser bolivariana e 'hoje isso é passado'

"O novo radar estava voltado a Europa, Estados Unidos, China e no Médio Oriente. Agora incluímos a Índia", resume. Segundo ele, o país asiático pode se incluído em um roteiro de negócios "oportunamente". "Todos nos convidaram. Vamos avaliar o momento certo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.