Doze produtos que mudaram a nossa vida para melhor

No Dia Mundial do Design,especialistas elegem a pedido da CNN os melhores desenhos industriais do Século

Economia & Negócios,

28 de junho de 2013 | 18h22

 SÃO PAULO - Doze ícones do desenho industrial dos últimos cem anos incluem a Vespa, o primeiro computador Macintosh e o Airbus A380. Da lista fazem parte tanto o Ford T de Henry Ford quanto o iPod de Steve Jobs.

Os símbolos do desenho industrial mundial foram relacionados por alguns dos maiores especialistas no assunto no mundo, a pedido da rede CNN. A escolha foi feita a propósito do Dia Mundial do Design, comemorado neste sábado, 29.

 

Os produtos transformaram a vida das pessoas e mudaram os rumos da economia. Alguns deixaram a vida bem mais interesante, mas um item da lista provoca polêmica: o rifle AK-47, indicado pelo designer Marcus Fairs. A arma conhecida pelo nome do seu criador, o russo Kalashnikov, é um sucesso desde que chegou ao mercado,  em 1947, mas há dúvidas se a invenção melhorou ou piorou a vida na face da terra.

Entre os especialistas consultados está Gianfranco Zaccai, fundador, presidente e chefe de design da Continuum, uma consultoria internacional de design.

Zaccai e sua equipe escolheram os produtos que viraram ícones do desenho industrial, e que contribuíram para o sucesso de marcas como Reebok, American Express, PepsiCo e Samsung.

Segundo o especialista, existem três princípios básicos que definem o bom design:

1. Empatia: a percepção de que o produto não foi desenhado para o fabricante, mas para os consumidores. O desenhista precisa entrar na vida das pessoas que irão utilizá-lo.

2. Pragmatismo: o fabricante deve levar em conta os requisitos de desempenho, rentabilidade e viabilidade de produção, aspectos possíveis de se quantificar.

3. Paixão: "Pense em uma refeição inesquecível que você experimentou. Lembre-se de que não são apenas os ingredientes que a tornam grande, mas sim a criatividade e sensibilidade do cozinheiro que o torna especial", explicou Zaccai.

Segundo o consultor, a empresa que almeja o bom design precisa contratar profissionais realmente bons, talentosos e que pensam de forma holística sobre a compreensão da vida das pessoas. E que sejam capazes de resolver os problemas de uma forma racional e emocional.

Segundo ele, o design não é uma ciência e nem uma arte, mas um pouco das duas coisas. "O design trata de como identificar as reais necessidades e desejos dos consumidores e como resolver problemas e conectar as pessoas emocionalmente. E uma forma de fazer a diferença positiva na vida. O bom design é funcional, divertido, agradável, inspirador e sustentável".

Tudo o que sabemos sobre:
/Designdesenho industrialmachintosh

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.