Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Dreyfus consegue exclusividade para comprar Santelisa

Grupo francês deixa concorrentes para trás e deve fechar um acordo de gestão compartilhada

Alexandre Calais, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2009 | 00h00

O grupo francês Louis Dreyfus Commodities conseguiu fechar um acordo de exclusividade para a compra da Santelisa Vale, o segundo maior grupo do setor sucroalcooleiro do Brasil. O acordo prevê que a Santelisa passará a ter uma gestão compartilhada entre o Louis Dreyfus e os atuais controladores - as famílias Biagi e Junqueira. Segundo fontes, o desembolso do grupo francês será de cerca de R$ 200 milhões, bem menos que o que vinha sendo estimado. O BNDES, que já é acionista da Santelisa, entraria com outros R$ 100 milhões na operação. A Santelisa Vale tem uma dívida estimada em cerca de R$ 3 bilhões, que está sendo renegociada.Com o acordo de exclusividade, o Louis Dreyfus, que já conta com oito usinas no Brasil, administradas pelo seu braço sucroalcooleiro, a LDC Bioenergia, deixa para trás seis competidores, que também fizeram ofertas pela Santelisa. O maior rival era a GP Investimentos, que se associou ao Grupo São Martinho, outro gigante do setor sucroalcooleiro, para tentar fechar o negócio. O GP era visto com bons olhos pelos bancos responsáveis pela negociação, principalmente por causa de sua experiência na área de gestão e reestruturação financeira. Nesse caso, a parte operacional da Santelisa seria tocada pelo São Martinho.Outros grupos considerados como fortes candidatos ficaram pelo caminho. A multinacional Bunge teria sido preterida por só ter interesse em comprar 100% da Santelisa, o que ia contra os interesses dos controladores da usina, que buscam uma gestão compartilhada.Já a ETH Bioenergia, braço do Grupo Odebrecht no setor de açúcar e álcool, teria feito uma oferta insatisfatória. A Cosan, por sua vez, pretendia fechar a aquisição apenas via troca de ações, o que não teria interessado aos controladores da Santelisa. Além disso, enfrentaria posição contrária do BNDES, por causa da concentração de mercado - a Cosan acabou de assumir o controle da NovAmérica, dona do Açúcar União.PRODUÇÃOA Santelisa Vale processa cerca de 25 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, é dona das unidades Santa Elisa, Vale do Rosário, MB e Jardest, todas na região de Ribeirão Preto (SP), e detém ainda 65% da Continental, em Colômbia (SP), e 50% da Tropical Bioenergia, construída em Edeia (GO), por meio de parceria com o Grupo Maeda. A companhia possui ainda 72% da Crystalsev, trading que, além de negociar açúcar e álcool, é sócia da petroquímica Dow na construção do polo para produção de plástico de etanol, em Minas Gerais, com investimento de US$ 1 bilhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.