Duas brasileiras estão entre as mais perigosas da internet

Ranking liderado por Cameron Diaz tem os nomes de Adriana Lima e Gisele Bündchen entre as principais ameaças 

O Estado de S. Paulo,

21 de agosto de 2010 | 12h37

 Duas brasileiras estão entre as 10 celebridades mais perigosas da internet. Gisele Bündchen ficou em quarto lugar no ranking, e Adriana Lima, estrela dos desfiles das "angels" da marca americana Victoria’s Secret, ocupou a sexta posição.

A informação consta na pesquisa anual de ameaças virtuais realizada pela McAfee, intitulada McAfee Most Dangerous Celebrities, que apresenta as celebridades que oferecem mais risco ao internauta ao serem pesquisadas na rede.

A atriz americana Cameron Diaz, parceira recente de Tom Cruise no cinema, assumiu o lugar de Jessica Biel como a celebridade que oferece mais riscos. É o quarto ano que a McAfee pesquisa as celebridades, atletas, músicos, políticos, comediantes e estrelas de Hollywood mais perigosos da internet.

 Gisele Bündchen ficou em quarto lugar no ranking de ameaças virtuais. Foto: J F Diorio

As estrelas de cinema e modelos são mais populares entre as celebridades mais ameaçadoras. No fim da lista estão políticos de grande projeção nos Estados Unidos, como o presidente Barack Obama e a ex-candidata à presidência do país, Sarah Palin.

É um golpe comum entre os cibercriminosos usar nomes de famosos para atrair as pessoas para sites aparentemente ingênuos que, na verdade, estão infectados por vírus. Uma pesquisa corriqueira sobre as últimas fofocas de uma celebridade pode acabar em prejuízo para o dono do computador.

"Este ano, os resultados da pesquisa foram menos alarmantes em comparação aos anos anteriores, mas ainda há riscos", afirmou Dave Marcus, pesquisador de Segurança do McAfee Labs. O uso cada vez maior dos programas antivírus é uma das explicações para o aumento da segurança na internet.

Os cibercriminosos, entretanto, usam técnicas cada vez mais "elaboradas". Atualmente, eles ocultam conteúdo perigoso em locais "reduzidos", como URLs abreviadas, que podem se espalhar de maneira viral por redes sociais, como o Twitter, sem se restringir a sites ou downloads.

As estatísticas mostram quão arriscado pode ser um inocente passeio pela internet. A chance de uma busca por Cameron Diaz acabar mal é de 10%.

Os fãs que pesquisam "Cameron Diaz" ou "Cameron Diaz e downloads", "Cameron Diaz e protetores de tela", "Cameron Diaz e wallpaper", "Cameron Diaz e fotos" e "Cameron Diaz e vídeos" correm o risco de se deparar com ameaças on-line para roubar informações pessoais.

 
Tudo o que sabemos sobre:
internetameaça virtualMcAfee

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.